TSE mantém inelegível ex-vereador de Osasco

A inelegibilidade do ex-presidente da Câmara de Vereadores de Osasco Délbio Camargo Teruel foi mantida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). De acordo com o TSE, a decisão do ministro Arnaldo Versiani se deu por causa da rejeição da prestação de contas como presidente da Câmara de Vereadores em 2002. As contas de Teruel foram rejeitadas pelo Tribunal de Contas de São Paulo, que constatou a contratação de despesas e serviços sem licitação durante sua gestão, entre outras irregularidades, e teve o registro de candidato negado pelo Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP).Délbio concorreu pelo PDT à prefeitura de Osasco nestas eleições porque tramitava no TSE o recurso que apresentou contra a negativa do registro de sua candidatura. O ministro Arnaldo Versiani mencionou, em sua decisão que negou o recurso, a contratação, sem licitação, de empresas de locação de veículos e de serviços de comunicação para divulgar as atividades da Câmara de Vereadores. O ministro cita ainda despesas impróprias, verificadas pelo Tribunal de Contas, como compra de cartões de visita para vereador, pagamento de refeições para 85 pessoas em restaurante, oferecimento de três coquetéis, e pagamento de multas de trânsito, cujo valor não se encontra especificado na nota fiscal.O Tribunal de Contas estadual apurou também despesas excessivas durante a presidência de Délbio Teruel na Câmara de Vereadores de Osasco, como compra de mais de 500 mil copos descartáveis de vários tamanhos, que teriam sido consumidos apenas por um dos 21 gabinetes de vereadores da Câmara Municipal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.