Tropa federal reforça policiamento em cidades do Maranhão

Efetivo da Força Nacional de Segurança Pública foi convocada pelo Estado na véspera da votação em primeiro turno

Leonencio Nossa, ENVIADO ESPECIAL A SÃO LUÍS (MA)

30 de setembro de 2014 | 03h00

Em meio a mais uma disputa eleitoral agressiva no Maranhão, homens da Força Nacional de Segurança Pública estão nas ruas da capital, São Luís, e dos municípios de Raposa e Paço do Lumiar, na região metropolitana, para reforçar o policiamento e coibir abusos das campanhas partidárias. 

Na manhã desta segunda-feira, 29, cerca de 200 policiais se reuniram com os comandantes das polícias Civil e Militar para definir a atuação do grupo nas vésperas do pleito de 5 de outubro. Eles mapearam as áreas com maiores índices de criminalidade em São Luís e nos municípios vizinhos. Não estão descartados envios de agentes para cidades do interior com histórico de disputas políticas violentas.

A presença na capital maranhense da tropa enviada pelo Ministério da Justiça está sendo discreta. Os agentes começaram a atuar no suporte a operações de dois Comandos de Policiamento Metropolitano, da Polícia Militar. 

Desde domingo, a operação comandada pela Secretaria Estadual de Segurança Pública capturou três foragidos do Complexo Penitenciário de Pedrinhas e prendeu cinco homens que foram reconhecidos como autores de dois homicídios. Também foram apreendidas armas de fogo e drogas ilícitas.

Desde outubro do ano passado, homens da Força Nacional já atuavam no setor administrativo dos presídios que formam o conjunto de Pedrinhas, localizado em São Luís. A presença deles, no entanto, não pôs um fim à guerra entre facções criminosas nas dependências do complexo. Uma das prioridades da Força Nacional no Maranhão é capturar os últimos foragidos do presídio. No dia 17 deste mês, 13 presos escaparam por um túnel aberto numa das alas do complexo penitenciário, aumentando a insegurança nos bairros próximos.

Farsa. Com 15 mortes e 105 fugas neste ano, a crise no conjunto de presídios na capital maranhense foi além do debate entre os candidatos ao governo estadual, Flávio Dino (PCdoB), da oposição à governadora Roseana Sarney e líder nas pesquisas, e Lobão Filho (PMDB), representante governista. 

A TV Difusora, que pertence a Lobão Filho, divulgou vídeo em que o detento André Escócio Caldas acusou Dino de participar do crime organizado. A farsa foi logo desmontada. Em depoimento à Polícia Civil, Caldas revelou que mentiu após receber promessa de liberdade e pagamento em dinheiro. O vídeo foi produzido por dois funcionários do presídio, que foram afastados pela Secretaria de Justiça e Administração Penitenciária do Estado. Antes que o caso fosse esclarecido, o grupo de Dino mobilizou a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), o Ministério da Justiça e entidades de direitos humanos para garantir a proteção do presidiário e evitar o risco de queima de arquivo.

O Complexo Penitenciário de Pedrinhas ganhou destaque nacional no começo de janeiro, quando um vídeo feito no mês anterior mostrou três presos decapitados por facções rivais. No último sábado, o monitor Isaac Willian Reis morreu por consequência de tiros que levou num princípio de rebelião no começo do mês.

O tema da segurança pública deve ser a tônica do debate da noite de hoje entre os candidatos ao governo estadual na TV Mirante, afiliada da TV Globo. 

Nesta segunda, Flávio Dino e Lobão Filho se reuniram com suas equipes de campanha para discutir estratégias para o debate, em especial na questão da criminalidade. Dados da Secretaria de Segurança Pública mostram que 432 pessoas foram assassinadas na região metropolitana de São Luís no primeiro semestre deste ano. O governo, no entanto, destacou que a tendência é de queda desde janeiro. 

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesMaranhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.