Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Três perguntas para Vitor Marchetti, cientista político

1. Como administrar o paradoxo do vice de um governo tucano ser ministro num governo petista?

O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2013 | 02h05

Deve-se desligar o vice de suas funções. É uma situação esdrúxula. Não pode haver esse tipo de conflito. O paradoxo já existiria mesmo se estivéssemos falando de pessoas do mesmo partido. Ele fica ainda mais forte pelo fato de se tratar de forças políticas opostas nas esferas federal e estadual.

2. Afif sempre atuou no campo oposto ao do PT. Há incoerência na escolha?

Se na última campanha o PT já não considerou constrangedor fazer aliança com Paulo Maluf, a aproximação com o PSD não causa surpresa. Por mais que Afif tenha atuação histórica no campo das micro e pequenas empresas, não dá para achar que sua indicação se dá apenas nesse contexto. É a velha história de que, no nosso sistema político, o que conta mesmo é o tempo de TV. E o TSE tem responsabilidade nisso, pois fez do PSD um partido atraente, ao dar a ele o tempo de TV dos deputados que o formaram.

3. Quais as consequências eleitorais dessa aproximação?

É mais um sinal amarelo para a oposição. Isso enfraquece o PSDB tanto na eleição para o governo de São Paulo quanto na disputa presidencial. Os tucanos, mal ou bem, não conseguiram atrair o PSD para sua base, e correm o risco de ficar com um tempo de propaganda ainda mais minguado. O cenário ainda é turvo, mas, em eleições para cargos executivos, televisão tem um peso muito grande.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.