Rodger Timm/Ascom PSDB
Rodger Timm/Ascom PSDB

TRE-RS concede direito de resposta a Eduardo Leite contra candidato do PSTU ao Piratini

Em entrevista, Júlio Flores culpou rival tucano, ex-prefeito de Pelotas, por mortes atribuídas a suspeita de fraude na saúde durante sua gestão

Filipe Strazzer, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2018 | 11h21

PORTO ALEGRE - O candidato do PSDB ao governo do Rio Grande do Sul nas eleições 2018, Eduardo Leite, obteve na Justiça Eleitoral direito de resposta contra o postulante do PSTU ao Palácio Piratini, Júlio Flores. O adversário do tucano culpou-o - em entrevista ao vivo à RBS TV, afiliada da Rede Globo no Estado - por mortes atribuídas a suspeitas de fraudes em resultados de exames de câncer na época que Leite foi prefeito de Pelotas (2012-2016). Cabe recurso.

Flores afirmou, no dia 14, que o tucano "fez um sorteio para escolher que mulheres poderiam viver ou morrer". Alertado por uma das entrevistadoras de que se tratava de uma acusação "muito grave", o candidato do PSTU manteve sua posição. "Estou (acusando) e sustento", disse.

Em julho, profissionais da saúde de Pelotas denunciaram que o laboratório contratado pelo município para realizar exames para detecção de câncer de colo de útero teria fraudado resultados entre 2014 e 2017, pois o número de análises negativas estaria muito acima do usual no período.

Segundo a decisão do desembargador eleitoral Jorge Alberto Schreiner Pestana, divulgada nesta quarta-feira, 26, Júlio Flores "extrapolou os limites constitucionais das liberdades de expressão e de informação ao realizar a análise de fato que se encontra em investigação, estabelecendo conexões que imputam responsabilidade direta a um candidato que nem sequer foi denunciado". Segundo o magistrado, "não se pode impingir ao candidato (Eduardo Leite) responsabilidade direta por fato que não se sabe que ele cometeu ou anuiu".

O Ministério Público Estadual instaurou inquérito para investigar o caso e aguarda resultado de perícia para dar prosseguimento à investigação. Eduardo Leite nega ter tido conhecimento do fato quando era prefeito da cidade e afirma que a suspeita não foi comprovada.

O desembargador eleitoral determinou a divulgação de um texto com a resposta do tucano - de até 1 minuto de duração - no mesmo telejornal em que a entrevista de Flores foi realizada, até 48 horas da publicação da decisão.

Procurada para comentar o caso, a campanha de Júlio Flores informou que não havia sido notificada da decisão mas que recorrerá.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.