TRE manda PSDB tirar peça em que acusa Skaf de criar taxa no Sesi

Em sua decisão, o juiz Cauduro Padin argumenta que a propaganda leva a 'insinuações de objetivos espúrios'

Ricardo Chapola, O Estado de S. Paulo

10 de setembro de 2014 | 18h15

O Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) determinou nesta terça-feira, 9, em caráter liminar, que a campanha do governador Geraldo Alckmin (PSDB) retirasse do ar uma peça publicitária do horário eleitoral gratuito na qual o tucano acusa o adversário Paulo Skaf (PMDB) de ter criado uma taxa no sistema de ensino do Sesi quando ele presidiu a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo.  

"Durante 60 anos, o Sesi sempre foi gratuito. Mas quando Skaf assumiu, o Sesi mudou. Virou ensino pago. Isso o Skaf não explica", diz o narrador do programa enquanto aparece no vídeo uma foto de Skaf junto com a letra "S" representando o Sesi. Em seguida, o "S" vira um cifrão e surge um efeito sonoro de máquina registradora ao fundo. 

O juiz Cauduro Padin entendeu que a propaganda feita por Alckmin produz "efeito degradante com a somatória de uma fotografia não relacionada ao contexto do tema tratado" e leva a "insinuações de objetivos espúrios". "Bem como o cifrão, com adulteração da palavra Sesi, tudo aliado ao efeito sonoro de uma caixa registradora, levando a insinuações de objetivos espúrios", escreveu o juiz na decisão. 

Tudo o que sabemos sobre:
EleiçõesGeraldo AlckminPaulo Skaf

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.