TJ-SP classifica de 'levianas' afirmações de presidente da OAB

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) classificou de "levianas" declarações do presidente do da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Ophir Cavalcante, sobre o extraordinário estoque de precatórios na corte paulista. Na semana passada, Cavalcante disse que os precatórios no TJ-SP não são um caso de Justiça, mas de polícia. O ataque acirrou ainda mais o entrevero com a toga - a Ordem já havia defendido poderes do Conselho Nacional de Justiça para investigar desembargadores dos tribunais.

O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2012 | 03h04

"Declarações bombásticas e destrutivas como as do presidente da OAB não se coadunam com a relação amistosa entre o Judiciário e a gloriosa classe dos advogados", ponderou o presidente do TJ, desembargador Ivan Sartori, em nota de sua assessoria. O TJ enfrenta "volume impressionante de precatórios" e reconhece "precariedade da estrutura" para dar conta da demanda. "São cerca de dez milhões de credores e muitos se utilizam de mandado de segurança e reclamações no Supremo Tribunal Federal e ao CNJ." O TJ joga a conta para outro poder. "A situação crônica da dívida retratada em precatórios é fruto do descaso da administração pública e não do tribunal." / F.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.