WETHER SANTANA/Estadão Conteúdo
WETHER SANTANA/Estadão Conteúdo

Terceiro colocado na eleição, Márcio França diz que ficará neutro

O partido de França, PSB, compõe frente de apoio a Boulos; ex-governador argumenta que 'não está convencido' por nenhum dos candidatos

Eduardo Gayer, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2020 | 17h45

O ex-governador Márcio França, e candidato derrotado à Prefeitura de São Paulo pelo PSB, disse nesta sexta, 20, que não declará apoio nem a Guilherme Boulos (PSOL) nem a Bruno Covas (PSDB). Terceiro colocado no primeiro turno, França antagonizou durante sua campanha com Covas, usando antagonismo com o governador João Doria (PSDB). A decisão, contudo, não representa a posição do PSB, ressaltou ao Estadão/Broadcast o coordenador da campanha do ex-governador na capital, Anderson Pomini.

O anúncio de França foi feito no Twitter. "Não faço o que não estou convencido. Nem meus eleitores. Não aceito empurrões. Eleições passam e chegam outras. Estaremos prontos, sempre", publicou o ex-governador na rede social, sinalizando disposição em participar de futuras eleições.


O PSB vinha pressionando França a apoiar a candidatura de Boulos no segundo turno, seguindo a tendência de centro-esquerda do partido e em nome da aliança nacional para 2022 firmada com o PDT, que já endossou publicamente o nome do líder afastado do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST).

O presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira, e o presidente municipal da legenda, Eliseu Gabriel, foram procurados pelo Estadão/Broadcast, mas não responderam aos contatos da reportagem. Segundo fonte próxima às negociações, o partido está reunido neste momento para bater o martelo sobre o segundo turno em São Paulo.

Horas antes do anúncio, Guilherme Boulos lançou a Frente Democrática Por São Paulo, tentativa de empurrar o adversário, que tem apoio de Celso Russomanno e partidos do Centrão, para o campo do bolsonarismo. Estiveram no ato representantes do PT, PDT, PSB, PC do B, Rede, PCB e UP. Lideranças nacionais como o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), o ex-ministro Ciro Gomes (PDT), a ex-senadora Marina Silva (Rede) e o governador do Maranhão, Flavio Dino (PC do B) já gravaram mensagens de apoio a Boulos e devem ser exibidos no horário eleitoral da TV ainda neste final de semana. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.