NILTON FUKUDA/ESTADÃO
NILTON FUKUDA/ESTADÃO

Tempo na TV não indica triunfo em 40% dos Estados

Entre os 10 maiores colégios eleitorais, apenas em SP e RS o favoritismo nas eleições 2018 está desassociado do tamanho da propaganda eleitoral

Rodrigo Cavalheiro e Marília Noleto, ESPECIAL PARA O ESTADO, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2018 | 05h00

Em 11 das 27 unidades federativas (40%), os partidos que ganhariam no primeiro turno nas eleições 2018 ou lideram em simulações do segundo turno para governador, segundo o instituto Ibope, não são os que têm maior tempo na propaganda eleitoral. 

Se o foco é colocado sobre os dez maiores colégios eleitorais, esse porcentual cai para 20%. Os dois únicos Estados em que o tempo a mais não traz favoritismo são Rio Grande do Sul e São Paulo. Entre os paulistas, João Doria (PSDB) aparece atrás nas simulações de segundo turno contra Paulo Skaf (MDB), segundo o Ibope (39% a 31%). No primeiro turno, o emedebista tem 24% das intenções de voto, enquanto o tucano, que tem mais do que o dobro do tempo de TV, aparece com 22%. 

Entre os gaúchos, o governador Ivo Sartori (MDB) e Eduardo Leite (PSDB) aparecem tecnicamente empatados no primeiro turno (30% a 29%), mas no segundo turno o tucano venceria por 43% a 34%. O governador tem 3 minutos e 18 segundos, enquanto o tucano usa 2 minutos e 45 segundos. O Estado tem o quinto maior colégio eleitoral.

Considerados todos os Estados, um dos exemplos mais emblemáticos é o de Goiás. O candidato Ronaldo Caiado (DEM) tem 47% das intenções de voto segundo a última pesquisa do Ibope, mesmo tendo 1 minuto e 19 segundos na televisão, contra 3 minutos e 27 segundos de Zé Eliton (PSDB), que apareceu na mesma pesquisa com 13%. 

Caiado tem defendido a valorização dos funcionários públicos e mais contratações, a criação de policlínicas e força-tarefa de combate ao crime organizado. Ele já alfinetou os adversários com a imagem de um padeiro. “Quanto mais eles batem, mais Caiado cresce na vontade do povo”, diz o spot. Já Zé Eliton dedica boa parte do tempo em uma mensagem destacando sua trajetória e o legado dos governos do PSDB. “Eu sei o que é trabalhar duro para construir um nome, e não se apoiar em um sobrenome”, diz Eliton.

Em resposta ao Estado, a coordenação de imprensa da campanha do tucano contestou a pesquisa Ibope mencionada. A coordenação de comunicação da campanha de Ronaldo Caiado (DEM) acredita que a mensagem do candidato está sendo bem recebida. “A campanha está baseada no tripé diagnóstico da situação, propostas para Goiás e perfil do candidato. Foi definido que o espírito da campanha seria sempre alegre e propositivo. Isso não muda”, afirma a coordenação.

Uma das formas de o senador compensar o pouco tempo de rádio e TV que dispõe é o “Caiado ao Vivo”, que vai ao ar todas as quartas no Facebook. “A receptividade tem sido muito boa, com alguns programas chegando a alcançar 150 mil pessoas”, diz a coordenação.

Reviravolta. Na disputa pelo governo do Distrito Federal, chama atenção o resultado na última pesquisa Ibope de Alberto Fraga (DEM), o dono do maior tempo (1 minuto e 50 segundos), que caiu para terceiro lugar (11%). Ibaneis Rocha (MDB), que tem quase o mesmo tempo (1 minuto e 44 segundos), disparou do quinto lugar para o segundo em um mês (tem 20%) e já ameaça o favoritismo de Eliana Pedrosa (PROS), que tem 49 segundos e 21% das preferências.

Em entrevista ao Estado nesta segunda-feira, 1.º, o presidente do instituto Ibope, Carlos Montenegro, afirmou que a eleição deste ano mostra mudanças no comportamento do eleitor. Agora, ele busca mais informações em redes sociais e entrevistas na TV do que na propaganda eleitoral gratuita. “A propaganda obrigatória perdeu o valor, a cobertura das TVs, da imprensa, é muito mais importante para o eleitor, parece mais sincero do que os programas montados pelos políticos”, disse ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.