Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

'Tempo de TV sinaliza ao eleitor qual candidato é mais competitivo'

Para analista, extensão do programa eleitoral ainda é variável mais importante nas eleições de 2018 em virtude do alcance da TV em todo o País

Entrevista com

Hilton Cesário Fernandes, cientista político da Fundação Escola de Sociologia e Política (Fesp)

Luiz Raatz, O Estado de S.Paulo

21 Julho 2018 | 05h00

A adesão em bloco do Centrão, formado por DEM, PP, PR, Solidariedade e PRB, à pré-candidatura de Geraldo Alckmin, do PSDB à presidência nas eleições de 2018 deve aumentar sensivelmente o tempo de TV do tucano, o que, tem tese, deve ajudá-lo na corrida, apesar de seus números ainda tímidos nas pesquisas de intenção de voto.

Para o analista Hilton Cesário Fernandes, cientista político da Fundação Escola de Sociologia e Política (Fesp), a o tempo de TV ainda é a variável mais importante na campanha eleitoral. "O  tempo de TV passa para o eleitor uma mensagem de que aquele candidato é competitivo ou não", disse ele ao Estado. A seguir, trechos da entrevista:

Existe uma correlação entre tempo de TV e resultado eleitoral nas eleições majoritárias?

Sim. O tempo de TV ainda é a variável mais importante de uma campanha eleitoral. A TV é o meio de comunicação mais poderoso no Brasil, com uma penetração de quase 100% dos domicílios e ainda é a ferramenta mais usada para as campanhas eleitorais. O fato de os partidos terem diferentes tempos de TV acaba influenciando muito este momento de negociações de coligações justamente por causa disso. O tempo de TV é um ativo importante.

O advento das redes sociais, principalmente aplicativos de troca de mensagens, como o WhatsApp, pode influenciar essa tendência de alguma maneira?

A TV não vai deixar de ser importante e provavelmente vai continuar sendo o meio de comunicação mais importante durante um tempo. Mas neste ano, a presença das redes sociais deve ter mais força, especialmente os aplicativos de mensagem. As informações podem ser espalhadas com muita velocidade e podem ser complementadas no caminho com opiniões (dos eleitores). Este ano a gente acredita deve ter uma influência talvez não diretamente no resultado, mas sim nos ataques aos candidatos.

No que o tempo maior de TV pode ajudar um candidato como o Alckmin, que já é conhecido do eleitor, mas tem números tímidos nas pesquisas?

Um dos fatores no caso de uma disputa para cargo majoritário é que o tempo de TV passa para o eleitor uma mensagem de que aquele candidato é competitivo ou não. Quem tem pouco tempo de TV passa a impressão de ser pouco competitivo. Então quando começa o horário eleitoral os eleitores percebem o tempo de TV como um grau de influência do candidato: quem tem mais tempo é mais influente e tem mais poder. E isso mesmo de uma forma subjetiva é um indicativo de competitividade do candidato.

Então isso em tese poderia prejudicar um candidato sem muitas alianças, como é o caso do Bolsonaro, por exemplo?

Exatamente. Quando ele começar a aparecer com pouco tempo de TV, na comparação pode parecer que ele ficou mais isolado. Mas isso não é uma fórmula exata. Às vezes o candidato tem muito tempo de TV, mas a imagem negativa é muito forte.

O peso da TV numa campanha com menor volume de recursos investidos deve diminuir?

Acho que continua o mesmo, porque apesar de diminuir muito a produção, isso vai acontecer por igual para os candidatos. Não haverá uma diferença no peso da TV. O principal não será a mudança nas regras, mas sim as redes sociais.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.