Temer mantém distância de palanques nas eleições municipais

Planalto dá versão de que base é ampla; aliados não reclamam e marqueteiros sugerem não exaltar presidente

Pedro Venceslau, O Estado de S.Paulo

04 de setembro de 2016 | 22h57

Os candidatos a prefeito de partidos da base de Michel Temer nas capitais não terão a presença do presidente em seus palanques. A tese oficial do Palácio do Planalto é a de que a base partidária do governo é tão ampla que qualquer apoio poderia melindrar outros postulantes de legendas aliadas.

Além disso, o presidente estaria focado no ajuste fiscal e não teria tempo para mergulhar no processo eleitoral. A decisão não incomodou os principais candidatos do PMDB, PSDB, DEM e demais legendas que compõem a coalizão governista. Faltando pouco menos de um mês para o primeiro turno, os candidatos dos maiores colégios eleitorais não convidaram Temer para atos de campanha. 

O Estado apurou que as campanhas do PSDB, DEM e PMDB em São Paulo, Belo Horizonte, Rio e Salvador não pretendem explorar a imagem de Temer em nenhum momento. “Em Salvador o PMDB tem o vice de ACM Neto (DEM). Lá a base está toda unida, o que poderia ser um facilitador. Mas não creio que se abrirá uma exceção”, disse o deputado federal Lúcio Vieira Lima (PMDB-BA). 

Temer

Ele afirmou, porém, que os ministros do governo podem e devem participar. Marqueteiros ouvidos pela reportagem disseram que ainda é interessante mostrar proximidade do candidato local com o Palácio do Planalto, mas sem exaltar a figura do presidente. 

Um dos mais próximos auxiliares de Temer, o secretário executivo do Programa de Parcerias de Investimentos, Moreira Franco, disse que a eleição municipal não está na pauta. “Ainda não conversamos sobre eleições municipais. Mas, para o governo, a agenda econômica é quase uma questão exclusiva. A gravidade é de tal ordem e os problemas de tal profundidade que a agenda econômica mobiliza toda a energia.” 

Segundo uma compilação feita pelo portal G1 com as pesquisas do Ibope realizadas nesta semana, o índice de aprovação de Temer – ótimo e bom – varia de 8% a 19% nas capitais. O maior índice de aprovação à administração de Temer – bom ou ótimo – foi registrado em Manaus. As pesquisas eleitorais estão registradas nos Tribunais Regionais Eleitorais e no Tribunal Superior Eleitoral.

Tudo o que sabemos sobre:
Eleições 2016

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.