Técnico do CGU vai controlar cofre do Dnocs

Diretor-geral, protegido do líder do PMDB, fica no cargo após intervenção de Temer e por causa da fragilidade do ministro

CHRISTIANE SAMARCO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

24 de janeiro de 2012 | 03h06

A presidente Dilma Rousseff quer resolver a crise do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (Dnocs) promovendo uma intervenção que segue o mesmo receituário aplicado em casos anteriores de irregularidades apontadas pela Controladoria-Geral da União (CGU).

Assim como fizera no Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) e na Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a chave do cofre do Dnocs está sendo entregue a um técnico treinado em controle externo, desta vez um funcionário da própria CGU.

Este é o produto concreto da troca de comando na diretoria Administrativa e Financeira do Departamento, em que o economista Albert Gradvohl perdeu a cadeira para o também economista Vitor Souza Leão, profissional de carreira da CGU. A exoneração foi publicada ontem no Diário Oficial da União.

A intervenção foi negociada com o líder do PMDB na Câmara, Henrique Eduardo Alves (RN), na tentativa de poupar o apadrinhado do peemedebista, Elias Fernandes, na diretoria-geral do Dnocs.

Quando sugeriu as demissões no Dnocs, ainda em dezembro, o ministro da Integração Nacional, Fernando Bezerra Coelho (PSB), incluiu o diretor do Dnocs na lista dos demitidos e o Palácio do Planalto não desistiu de tirá-lo.

A diferença agora é que, em tempos de denúncias de irregularidades contra o próprio ministro, comprar uma briga política com o líder do PMDB é uma operação de altíssimo risco para Bezerra.

Foi precisamente a preocupação em compor com o PMDB que levou o ministro Bezerra a recorrer à intermediação do vice-presidente da República, Michel Temer, na semana passada.

Intervenção. A pedido do ministro, Temer marcou um encontro com Henrique Alves em seu gabinete, na quinta-feira. Foi quando Bezerra e Alves acertaram que apenas o diretor administrativo financeiro seria demitido, poupando o diretor-geral, com uma condição.

O próprio Elias Fernandes deveria pedir ao ministro que enviasse as denúncias e as explicações dadas pelo Dnocs para exame do Tribunal de Contas da União (TCU).

O destino de Elias Fernandes será definido pelo TCU. Caso o tribunal aponte irregularidades nas prestações de contas do diretor-geral, ficou acordado que ele mesmo deverá tomar a iniciativa de desocupar a cadeira e facilitar a vida do Palácio do Planalto, sem crises com o PMDB.

Mas a história não terminou aí. Também complicam a vida de Fernandes os protestos do PMDB cearense, que não se conforma com a degola do diretor Gradvohl, como se ele fosse o único responsável pelas irregularidades apontadas no órgão.

Empenhado na defesa pública de Gradvohl, o deputado Danilo Fortes (PMDB-CE) diz que a bancada do Ceará vai reagir.

"Vamos procurar a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) e o ministro Fernando Bezerra para saber o porquê dessa violência contra esse rapaz", antecipa. Segundo o peemedebista cearense, Albert Gradvohl é "um quadro técnico, não está no Dnocs para fazer lambança nem para ser responsabilizado por irregularidades encontradas em outra diretoria".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.