Tarso ‘cola’ em Dilma e tenta se salvar na eleição gaúcha

Tarso ‘cola’ em Dilma e tenta se salvar na eleição gaúcha

Atual governador faz nesta sábado caminhada ao lado de Dilma em Porto Alegre; nas pesquisas, ele está muito atrás de Sartori

Lisandra Paraguassu, O Estado de S. Paulo

24 de outubro de 2014 | 23h29


O governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro (PT), faz neste sábado, 25, sua última cartada para tentar evitar a sina do Estado de nunca reeleger seu governante nas eleições estaduais. A ideia é associar sua imagem à da presidente Dilma Rousseff de modo que suas intenções de voto alcancem a dela. Para tanto, eles fazem uma caminhada no centro de Porto Alegre. Segundo o Datafolha, Dilma está com 51% das intenções de voto contra 49% de Aécio Neves (PSDB) no Estado. Mas Tarso tem 36%, contra 56% de José Ivo Sartori (PMDB). 

A estratégia também decorre do fato de a disputa no Rio Grande do Sul seguir a polarização nacional. Sartori declarou apoio a Aécio logo depois do 1.º turno, marcando posição oposta à orientação nacional do PMDB. Tarso vê na ligação com Dilma e com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva uma chance de melhorar sua votação. Mesmo em empate técnico com o candidato tucano no Estado – dois pontos atrás no Ibope (49% ante 51% de Aécio) e dois à frente no Datafolha – Dilma ainda tem resultados muito melhores do que os de Tarso Genro. 

Desde o início do 2.º turno, Tarso repete a ideia de que é o representante da presidente e do ex-presidente no Rio Grande do Sul. “A minha identidade com Dilma e Lula são elementos que vão refletir numa cruzada de votos nestes últimos dias’’, disse ao Estado. Na quarta-feira, Lula, em visita de duas horas a Porto Alegre, reuniu cerca de 10 mil pessoas para um comício relâmpago, filmado por drones e utilizado à exaustão no material de campanha de Tarso. Mas até agora, nada alterou a situação difícil do governador. 

“Fazemos uma defesa da importância que tem e de como foi correto o alinhamento e a sintonia com o governo federal’’, diz Carlos Pestana, coordenador da campanha de Tarso. 

Nesse final de campanha, Tarso decidiu mostrar as vantagens que esse alinhamento traz. Seu último programa mostra obras que estavam paradas e começam a sair do papel. Entre elas, a da segunda ponte sobre o rio Guaíba, um investimento federal de R$ 650 milhões que finalmente começou na semana passada. E a duplicação da BR-290 teve sua aprovação assinada pelo governo federal essa semana. 

Sartori, que conseguiu encampar os votos antipetista no Estado, não precisa de Aécio, mas reforça a identidade com o tucano, que gravou programas eleitorais e participou de um comício em Porto Alegre. Nesse caso, a esperança é que Aécio leve alguns dos votos do candidato. “Sartori está 20 pontos à frente. Acreditamos que vai haver uma transferência’’, disse ao Estado o senador eleito José Serra (PSDB-SP), que esteve no Rio Grande do Sul para uma caminhada com o peemedebista na quinta-feira. 

Pesquisa. Nova pesquisa do Ibope para o Grupo RBS reafirma o favoritismo de José Ivo Sartori (PMDB) para o governo gaúcho. O resultado, divulgado ontem, mostra o candidato com 53% do total e 59% dos votos válidos – igual à sondagem anterior, feita entre os dias 18 e 20. O governador Tarso Genro (PT) também repetiu os porcentuais (37% e 41%). Foram entrevistados 2.002 eleitores entre 22 e 24 de outubro. A margem de erro é de 2 pontos para mais ou para menos. O registro dela no TRE é RS 00035/2014.

Tudo o que sabemos sobre:
eleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.