Suspeito tem 'currículo brilhante', diz Fazenda

Autor do livro Os Benefícios Fiscais no Direito Financeiro e Orçamentário, o juiz Élcio Fiori não respondeu à reportagem para falar sobre as suspeitas que pesam contra ele. Não se manifestou sobre a denúncia de que teria recebido "mala com R$ 1 milhão" nem sobre as ameaças que teria feito a pessoas com as quais entrou em atrito. Não respondeu à indagação, que lhe foi enviada por e-mail, sobre pagamentos em dinheiro vivo pelos imóveis que comprou.

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

13 de maio de 2013 | 02h07

Na quinta-feira, quando procurado pelo Estado para explicar o patrimônio de R$ 30 milhões, o juiz alegou que "todos os valores empregados nas compras de imóveis possuem origem lícita, oriundos dos investimentos bem-sucedidos com capital próprio e de terceiros investidores".

Fiori foi taxativo ao argumentar que "é inocente de todas as acusações, como será devidamente comprovado no Poder Judiciário". Afirmou que nunca teve "nenhuma ligação" com alvos da Operação Lava-Rápido.

Atualmente, ele é assistente fiscal e suplente na 16.ª Câmara de Julgamentos do Tribunal de Impostos e Taxas - onde chegou em 2008 -, vinculado à Coordenadoria de Administração Tributária (CAT) da Fazenda. Os juízes podem ser representantes da Fazenda ou dos contribuintes. Os candidatos submetem seus currículos ao crivo do tribunal e da CAT. A Procuradoria-Geral do Estado não participa da seleção.

A Secretaria da Fazenda informou que Fiori detém "um currículo brilhante, com mestrado e doutorado", e que ele "é fora de padrão, inteligente". Segundo a pasta, "não havia como rejeitar o currículo de Fiori, tecnicamente muito consistente".

Quando se desentendeu com Wagner do Amaral, que lhe vendeu imóvel de R$ 2,4 milhões, Fiori falou de seu círculo de amizades: "Tenho muitas influências, muitos amigos políticos".

"Seu comportamento social tem sido caracterizado como arrogante, egoísta, com soberba suficiente para desprezar seus credores e, sobretudo, violento", alertam os investigadores. "Cobrado por seus credores, intimidava-os e invocava sua autoridade fiscal. A prepotência do juiz do TIT corresponde à sua audácia e rápida ascensão ao espaço fechado dos milionários, sem que se possa justificar o meteórico enriquecimento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.