Supremo nega a PSD cargos no Congresso

Ayres Britto rejeitou ao partido direito de participar de comissões; ação ainda será julgada pelo plenário da corte

MARIÂNGELA GALLUCCI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

01 de março de 2012 | 03h06

Partido do prefeito Gilberto Kassab, o PSD sofreu um revés ontem no Supremo Tribunal Federal (STF). O vice-presidente da Corte, Carlos Ayres Britto, rejeitou um pedido para que a legenda tenha participação em comissões permanentes e temporárias do Congresso. A ação ainda será julgada pelo plenário do STF.

Apesar de ter despachado liminarmente, Ayres Britto deixou claro que discorda da reivindicação da sigla. Segundo ele, os partidos que têm direito à representação nas comissões são os que passaram pelo "teste das urnas".

"O partido autor da presente ação de segurança não participou de nenhuma eleição popular. Não contribuiu para a eleição de nenhum candidato. Não constou do esquadro ideológico ou de filosofia política de nenhuma eleição em concreto. Não submeteu a nenhum corpo de eleitores o seu estatuto ou programa partidário. Ainda não passou pelo teste das urnas, enfim, porque não ungido na pia batismal do voto", disse o ministro.

Além de dizer que o PSD não passou pelo teste das urnas, o ministro citou o regimento interno da Câmara segundo o qual mudanças nas bancadas, decorrentes de modificações em filiações partidárias, não devem ser consideradas para a composição de comissões.

A decisão de Ayres Britto frustrou as expectativas da legenda que tenta garantir outros direitos, como participação no fundo partidário e no tempo de TV. Criada em setembro, a sigla quer uma fatia do fundo. Há uma ação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sobre o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.