Suplicy diz ter rejeitado fita de ex-mulher de Pitta

O senador Eduardo Suplicy (PT-SP) afirmou ontem que a ex-primeira-dama Nicéa Pitta telefonou para ele, na manhã de domingo, oferecendo uma gravação que comprometeria o prefeito Gilberto Kassab (DEM). Nicéa pediu a intermediação do senador para que a fita chegasse à campanha da candidata do PT, Marta Suplicy, mas ele se recusou a ajudá-la. "Ela me disse que tinha uma gravação relativa ao prefeito Kassab que gostaria de pôr à disposição da Marta. Eu, porém, respondi que era favorável a que o PT apresentasse mais propostas ao invés de mostrar aspectos negativos do adversário", contou o senador.Marta negou ontem que Nicéa tenha gravado depoimento contra Kassab. "Não houve isso", respondeu. No fim de semana, auxiliares do prefeito afirmaram, em conversas reservadas, que a ex-primeira-dama apareceria num dos últimos programas de Marta na TV. Divorciada de Celso Pitta há oito anos, Nicéa é hoje uma das principais acusadoras do ex-prefeito e há tempos procura a campanha do PT. Já conversou com vários interlocutores, mas nenhum deles assume publicamente o contato. Ela alega ter uma fita mostrando Kassab conversando sobre negócios com Pitta, em sua casa. O prefeito foi secretário de Planejamento de Pitta, que governou São Paulo de 1997 a 2000, mas jura ter se afastado dele.A equipe petista tenta a todo custo carimbar Kassab como afilhado de Pitta e do deputado Paulo Maluf (PP). Não sem motivo: ambos exibem altos índices de rejeição, que o PT quer transferir para o prefeito. "Nicéa estava com muita vontade de contar algo, mas, quando ela começou a falar, eu disse: ''Olha, não interessa''", comentou Suplicy, sem entrar no mérito da acusação. Indagado se a ex-mulher de Pitta havia tentado vender a informação, o senador foi taxativo: "Absolutamente, ela não pediu coisa alguma. Era um sentimento de cidadã." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.