Sucessão para 2010 já começou ; PSDB vai procurar PMDB

Informação é do presidente do partido tucano, que reconheceu que Dilma é uma candidata 'boa para o PT'

Cida Fontes, de O Estado de S.Paulo

27 de outubro de 2008 | 18h06

O presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra  (PE), afirmou nesta segunda-feira, 27, que a sucessão presidencial de 2010 já começou e uma das estratégias do partido agora será procurar o PMDB, que se fortaleceu nas eleições municipais. Ao citar os governadores José Serra (SP) e Aécio Neves (MG) como vitoriosos, o senador tucano afirmou que, por outro lado, a ministra Dilma Rousseff, da Casa Civil, saiu enfraquecida. "Ela tem que dizer a que veio", disse, ao reconhecer que agora a ministra terá dois anos para viabilizar sua candidatura. Ou seja, está em desvantagem em relação aos dois governadores tucanos que terão o controle das prefeituras de São Paulo e Belo Horizonte, estrategicamente importantes do ponto de vista político-eleitoral.  Veja também:TV Estadão: Assista a análises e entrevistas Blog da Eleição: Confira os principais momentos da apuração   Mapa eleitoral do 2.º turno  PMDB leva maior número de prefeituras e será a 'noiva' de 2010 Kassab sai vitorioso e ficará mais 4 anos na Prefeitura de SPGaleria de fotos: 'O dia de Marta'Em disputa apertada, Paes vence Gabeira no Rio Sérgio Guerra reconheceu que a ministra Dilma é uma candidata "boa para o PT" e tem liderança no ambiente do governo. "Mas é autoritária e passa autoritarismo e arrogância", observou. Ele ressaltou também que a crise financeira poderá atropelar algumas ações com impacto eleitoral do governo como o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), comandado por Dilma Rousseff. "Nós não queremos fazer campanha política com a crise financeira, mas contribuir para que ela seja enfrentada. Mas não vamos aceitar que o presidente Lula faça campanha política com a crise", acrescentou. Ao admitir que as eleições municipais têm o "objetivo mais amplo de construir a vitória do PSDB em 2010, Sergio Guerra disse que o PMDB será decisivo nos próximos dois anos e que nenhum candidato vai querer ficar longe do partido. "Temos muitos amigos no PMDB e vamos procurar esses setores", prosseguiu o tucano. "Vamos cultivar o PMDB. O próximo lance para abrir as conversas será a sucessão dos postos de comando da Câmara e Senado e o PSDB poderá apoiar os candidatos do PMDB tanto na Câmara quanto no Senado. Em relação ao DEM, Sérgio Guerra avaliou que a vitória do prefeito Gilberto Kassab em São Paulo consolida o entendimento com os aliados do partido Democratas. O grande derrotado, pelo seu raciocínio, foi o PT que reelegeu prefeitos, mas em capitais menos importantes. "O que consolidou a derrota do PT foi a humilhação eleitoral em São Paulo", avaliou, acrescentando que o PT teria perdido força eleitoral na classe média". "O PT não governa mais Belo Horizonte que era seu reduto mais importante.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.