Subprocuradora diz não temer CPI e quebra de sigilo

Mulher de Gurgel, Cláudia Sampaio diz que foi certo não abrir inquérito em 2009 e que deputados querem desgastar seu marido

RICARDO BRITO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

14 Maio 2012 | 03h03

Ameaçada de convocação por integrantes da CPI do Cachoeira, a subprocuradora-geral da República Cláudia Sampaio Marques disse ontem, em entrevista ao Estado, que não teme a quebra de seu sigilo telefônico, que irá ao Congresso se for convocada e que os "parlamentares não são burros e sabem que o Ministério Público agiu corretamente".

Acusada por setores da base aliada de não levar adiante uma investigação contra parlamentares envolvidos com o contraventor Carlinhos Cachoeira, principalmente o senador Demóstenes Torres (ex-DEM-GO), em 2009, Cláudia diz que tomou a decisão em conjunto com o delegado do caso e que integrantes da CPI querem, ao questionar sua atuação, desgastar seu marido, o procurador-geral da República, Roberto Gurgel, por causa do julgamento do mensalão.

"Se tivesse arquivado em 2009, a investigação morreria ali e não teria dado em nada", afirmou. "É aquele negócio: aconteceu no momento em que está perto do julgamento do mensalão." Cláudia diz que, se convocada, vai à CPI esclarecer sua participação.

Ela também não está preocupada com o pedido do senador Sérgio Souza (PMDB-PR) de quebrar seu sigilo telefônico nos últimos três anos. "Ele vai ter uma desagradável surpresa. Nunca conversei com parlamentares no meu telefone. Só falava com meus filhos e meu marido."

Vegas. Cláudia foi designada por Gurgel, em 2009, para avaliar se, com base nas investigações da Operação Vegas, havia elementos para pedir abertura de inquérito contra Demóstenes e os deputados Sandes Junior (PP-GO) e Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO) no Supremo Tribunal Federal (STF).

A subprocuradora disse que, na ocasião, tomou a decisão de segurar a apuração "em conjunto" com o delegado Raul Alexandre Marques Sousa, responsável pela operação. Ele disse à CPI, na semana passada, que foi Cláudia quem segurou a investigação. "Não foi uma decisão minha. Foi nossa. Entendi que não tinha elementos na época para ir ao STF. Poderia ter conversas relevantes no aspecto político ou ético, mas não tinha crime. Decidimos que era conveniente esperar."

Ela citou o exemplo do envolvimento de Demóstenes. Num dos diálogos interceptados, o senador goiano pediu a Cachoeira que bancasse uma viagem de avião particular. "A conversa não tinha quaisquer outros dados para investigar", disse. Cláudia tem a mesma opinião sobre o fato de o senador ter recebido o rádio Nextel. "Não é crime. É um contexto de crime, que mostra a promiscuidade com pessoas tidas como envolvidas na atividade do jogo." Para ela, foi o rádio, que Cachoeira achava ser inviolável às interceptações telefônicas, o grande trunfo da investigação. "Eles conversavam abertamente neste telefone."

Sobre os 22 telefonemas de 2009 citados no pedido de abertura de inquérito contra Demóstenes formulado por Gurgel ao STF, ela disse que não havia indícios de crime, mas demonstravam o relacionamento do senador com o contraventor. "Demóstenes não participava do esquema de jogos ilegais, objeto daquela apuração", afirmou. Se tivesse aberto investigação na época, avaliou, o contraventor saberia que as conversas dele via Nextel estavam sendo grampeadas.

Na avaliação dela, os ministros do STF não aceitariam uma quebra de sigilo telefônico com base no que havia. Para ela, somente agora é que houve elementos concretos para pedir a abertura de investigação contra os três parlamentares e, diferentemente da Vegas, informações sobre o envolvimento da construtora Delta com Cachoeira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.