STF abre inquérito para investigar deputado da base

O Supremo Tribunal Federal abriu inquérito criminal para investigar o deputado Valdemar Costa Neto (PR-SP), citado na Operação Porto Seguro - investigação sobre venda de pareceres técnicos de órgãos públicos da União que envolve a ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo, Rose Noronha.

Felipe Recondo, O Estado de S.Paulo

06 de agosto de 2013 | 02h07

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, aponta "existência de indícios da prática de corrupção passiva e advocacia administrativa pelo deputado". Ele destaca que interceptações telefônicas mostram que Paulo Rodrigues Vieira - ex-diretor da Agência Nacional de Águas, apontado como integrante da organização criminosa - "mantinha contato com diversas autoridades detentoras de prerrogativa de foro, incluindo-se o deputado". Segundo Gurgel, "examinando os diálogos travados entre ambos, extrai-se que o parlamentar, valendo-se de sua influência política, tanto prestava como solicitava favores a Vieira, além de, em certas ocasiões, haver indícios de patrocínio de interesses privados perante a administração pública".

O procurador assinala que "é preciso investigar como ocorriam as trocas de favores, esclarecendo se eram vinculadas à solicitação ou recebimento de vantagens pelo parlamentar". Por sua assessoria, Costa Neto disse que "não comenta manifestações do Ministério Público ou procedimentos relacionados ao Judiciário".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.