'Sou vítima de mim mesmo', afirma Jefferson

Deputado cassado diz aceitar condenação com 'serenidade'; ele nega ser delator e que PTB tenha se vendido ao PT

ALFREDO JUNQUEIRA / RIO, O Estado de S.Paulo

29 de setembro de 2012 | 03h06

O delator do esquema do mensalão e deputado federal cassado, Roberto Jefferson (PTB-RJ), usou seu blog na manhã de ontem para se manifestar pela primeira vez sobre a decisão da maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) de condená-lo por corrupção passiva. Ele afirma não ser vítima de ninguém, a não ser de si próprio, e diz que não tem nada a reclamar.

O ex-parlamentar petebista ainda responde, no julgamento do Supremo, por lavagem de dinheiro. Neste caso, cinco ministros já se manifestaram em favor da sua condenação e apenas o revisor, Ricardo Lewandowski, propôs que ele seja absolvido. Jefferson diz que não concorda com as condenações, mas que recebe "com serenidade a decisão dos ministros".

O presidente licenciado do PTB volta a afirmar que não vendeu seu partido para o PT e também que não fez uso para fins pessoais dos recursos que os petistas repassaram a ele - o próprio Jefferson confirmou em depoimentos ter recebido R$ 4,5 milhões em 2004 para viabilizar candidaturas de seu partido às eleições municipais daquele ano. Por fim, ele nega ser um delator.

"A maioria da Corte Suprema do meu País já me condenou pelos crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro. Embora não concorde com as imputações, recebo com serenidade a decisão dos ministros. E reafirmo: não vendi o meu partido ao PT nem me apropriei, para fins pessoais, de nenhum centavo sequer do dinheiro que a mim chegou para o financiamento de campanhas eleitorais. Muito menos sou delator, alcunha com que tentam à força me marcar", escreveu o ex-deputado do PTB, que conclui seu pequeno texto com uma citação em latim: "Dura lex, sed lex (a lei é dura, porém é a lei)".

Repouso. Recluso na pequena cidade de Comendador Levy Gasparian, na divisa entre os Estados do Rio e Minas Gerais, Jefferson está se recuperando de uma cirurgia para extração de um tumor no pâncreas. Realizado em julho, o procedimento também afetou outros órgãos.

Ele levou mais de 500 pontos internos na operação. No dia 12, o ex-deputado voltou a ser internado com problemas gastrointestinais e desidratação. Ficou uma semana no hospital e saiu 9 quilos mais magro. Nos próximos dias, o delator do mensalão começa uma nova fase, o tratamento com quimioterapia.

A doença o obrigou a se licenciar da presidência nacional do PTB, na versão oficial divulgada pelo partido no dia seguinte à manifestação de Lewandowski em favor de sua condenação por corrupção. Jefferson deixará oficialmente o comando do partido por pelo menos seis meses. Em seu lugar ficará o vice-presidente da legenda e ex-deputado federal Benito Gama.

Ao longo do dia de ontem, o blog do ex-parlamentar recebeu muitas manifestações sobre o texto publicado. Algumas o criticavam, outras davam apoio. Havia várias manifestações de repúdio ao PT, ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e ao ex-ministro da Casa Civil e também deputado federal cassado, José Dirceu - este também réu do processo em análise do STF.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.