Soninha: Haddad tem de 'comer muito arroz e feijão'

A candidata do Partido Popular Socialista (PPS) à Prefeitura de São Paulo, Soninha Francine, acredita que esta eleição municipal em São Paulo é imprevisível. "Faz tempo que não temos uma eleição tão imprevisível em São Paulo", afirmou. Ela se disse otimista, porém, com as intenções de voto que possui atualmente nas pesquisas. "Acredito que temos no mínimo uma vaga em aberto em São Paulo no segundo turno. Estou numa curva ascendente. O Haddad (Fernando Haddad, pré-candidato do PT) tem que comer muito arroz, feijão e couve para chegar lá", afirmou.

SILVANA MAUTONE, Agência Estado

23 Junho 2012 | 14h50

De acordo com a pesquisa mais recente sobre a disputa na capital paulista, divulgada pelo Datafolha no último domingo (17), o pré-candidato do PSDB, José Serra, está na liderança com 30% das intenções de voto. Em seguida, aparece Celso Russomano (PRB), com 21%, seguido por Soninha (PPS) e Fernando Haddad (PT), empatados com 8%, Netinho de Paula (PCdoB), com 7%, Gabriel Chalita (PMDB), com 6%, e Paulinho da Força (PDT), com 5%.

Num eventual segundo turno do qual não participe, Soninha disse que apoiará Serra. "A minha primeira opção sou eu. A segunda é o candidato para quem eu fiz campanha para a Presidência." Ela foi coordenadora da campanha de internet de Serra em 2010.

A candidatura de Soninha foi formalizada neste sábado em evento Câmara Municipal. O PPS fechou uma coligação com o Partido da Mobilização Nacional (PMN), que indicou o candidato a vice, Lucas Albano.

Mais conteúdo sobre:
eleições 2012 São Paulo Soninha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.