Sonhos de um guerreiro

O policiamento se esforça para conter a multidão que cerca o Supremo Tribunal Federal gritando: "Dirceu guerreiro/do povo brasileiro". A condenação de José Dirceu como chefe da quadrilha do mensalão está dividindo os votos dos ministros do STF e um clamor por justiça se alastra pelo País como um rastilho de pólvora. Frotas de ônibus começam a chegar à Praça dos Três Poderes trazendo legiões de caras-pintadas da UNE que se juntam a milhares de sem-terra que marcham sobre Brasília vindos do Planalto Central. Mais de 300 prefeitos, deputados e senadores se unem aos trabalhadores de várias categorias mobilizados pela CUT e à militância do PT, com suas bandeiras vermelhas e sua garra, exigindo justiça para Dirceu.

Nelson Motta, O Estado de S.Paulo

18 de maio de 2012 | 03h06

Desprevenida para a maior mobilização popular na cidade desde as Diretas Já, a tropa da PM chega tarde, quando a massa compacta já é impenetrável, mas pacífica, e só lhe resta protegê-la de eventuais provocadores da direita. O coro épico da multidão na Praça dos Três Poderes estremece toda a Esplanada. "Dirceu guerreiro/do povo brasileiro".

Cada vez mais convencida da inocência de Dirceu, a militância digital trabalha dia e noite, seguindo os comandos dos blogueiros progressistas, denunciando a farsa e divulgando ameaças de revolta popular e de greve geral, apoiadas por lideranças sindicais e pelos movimentos sociais, pressionando o Supremo e a opinião pública. Em São Paulo, uma multidão apedreja os escritórios da revista Veja gritando vivas a Dirceu e à democratização da mídia. Batalhões policiais designados para reprimi-los aderem aos manifestantes, baixando as armas e recebendo flores dos militantes.

Em um vídeo divulgado nos sites progressistas, Dirceu conclama a população a boicotar por três minutos o Jornal Nacional, em protesto contra a conspiração golpista da direita. A medição instantânea do Ibope registra a queda de mais de 50% na audiência da TV Globo. No Supremo Tribunal Federal, na última hora, o ministro Dias Toffoli muda o seu voto e absolve Dirceu, a multidão explode em júbilo na praça, e o guerreiro acorda assustado numa cela da Papuda.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.