'Soldados da borracha' serão indenizados

O Senado aprovou ontem uma Proposta de Emenda à Constituição que concede aos seringueiros que trabalharam na região amazônica nos anos da Segunda Guerra Mundial - os chamados "soldados da borracha" - uma indenização de R$ 25 mil.

Débora Álvares / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2014 | 02h06

O texto segue agora para promulgação. A indenização será repassada aos dependentes dos beneficiados que já morreram. A PEC mantém o pagamento vitalício de dois salários mínimos para os ex-seringueiros.

Segundo o relator do texto, senador Aníbal Diniz (PT-AC), estima-se que 60 mil pessoas trabalharam na região, com grandes sacrifícios, produzindo uma matéria-prima crucial para as forças aliadas que derrotaram Hitler e o nazismo. Ele estima em seis mil o número de "soldados da borracha" ainda vivos. Somados aos dependentes, serão cerca de 12 mil pensionistas. A PEC recompensa trabalhadores que não recebem, como os soldados e pracinhas, auxílio por contribuição em conflito armado, A União gastará com a PEC cerca de R$ 300 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.