Sob Geddel, BA foi privilegiada

O antecessor de Fernando Bezerra, Geddel Vieira Lima, utilizou a mesma lógica para fazer os repasses do Ministério da Integração Nacional. Geddel, no entanto, não só privilegiou o seu Estado, a Bahia, como também deu preferência aos seus correligionários do PMDB.

O Estado de S.Paulo

03 de janeiro de 2012 | 03h06

No ano passado, auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU) mostrou que, dos pagamentos feitos em 2009, 90% haviam sido dirigidos para a Bahia. Nos três anos da administração do baiano, o Estado levou 65% do total de verbas destinadas à prevenção de acidentes. O fenômeno continuou em 2010, quando Geddel foi substituído pelo afilhado político e conterrâneo João Reis Santana.

Além disso, no período em que Geddel ocupou a pasta, 80,8% dos recursos foram destinadas a prefeituras baianas comandadas pelo PMDB.Dos R$ 476,9 milhões transferidos para as prefeituras da Bahia, R$ 385,5 milhões foram para peemedebistas e R$ 38,9 milhões, para petistas. Na época, o ex-ministro argumentou que não houve favorecimento e que os peemedebistas foram os que mais apresentaram projetos aprovados pelo ministério.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.