'Só temos uma certeza, teremos segundo turno', diz Roberto Freire

Presidente nacional do PPS defende candidatura de Marina Silva

Angela Lacerda, O Estado de S. Paulo

16 de agosto de 2014 | 17h06

RECIFE - O presidente nacional do PPS, Roberto Freire, afirmou, em entrevista, nesta tarde (16), no Recife, que a mudança de cenário com a morte do ex-candidato Eduardo Campos (PSB), aponta duas certezas: Marina Silva será a candidata à presidência da República e haverá segundo turno na eleição presidencial.

“Esta é a mudança e traz preocupações para quem imaginava que estava tudo consolidado, inclusive os dois candidatos, seja Dilma (PT) ou Aécio (PSDB)”, afirmou  depois de visitar a viúva de Campos, Renata, na sua residência, no bairro de Dois Irmãos.

Ele adiantou que o PPS nada vai reivindicar com a mudança. “O PPS luta pela unidade das oposições e a derrota do lulopetismo”, resumiu.

A candidatura à vice-presidência na chapa deve caber ao PSB, defendeu ele.  “Até porque não adianta fugir de um dado de realidade: Marina está no PSB por um grande acordo feito, no qual Eduardo mostrou sua dimensão”, lembrou. “Ela estava não como socialista do PSB, mas como representante da Rede Sustentabilidade”.

Freire observou que quando integrava o velho partido Comunista do Brasil (PCB), seus militantes eram candidatos por outros partidos porque a sigla estava na clandestinidade. “Não podíamos agora, em uma clandestinidade que Marina foi colocada pelo governo Lula, numa democracia, deixá-la sem ter legenda para se candidatar. Foi o que o PSB fez”.

Quanto a divergências entre Rede e PSB, ele afirmou que elas existiram até a concretização do programa. “Concretizado, Eduardo era o responsável por dar seguimento ao que foi acordado”, disse ao observar que Marina poderia ficar em posição de não participar de algum ato que ela não estivesse concordando, porque Eduardo fazia a política. “Agora ela vai ser chamada para fazer política, não como uma coadjuvante, ela agora é protagonista, vai ter de fazer o que Eduardo fazia”.

Complementou que será diferente, pois ela é outra pessoa, com outras características, mas o projeto terá continuidade. “Não tenho dúvida que ela tem competência e sensibilidade para exercer esse papel, como representante dos acordos políticos firmados com Eduardo”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.