Só mudanças na Corte dão sentido aos infringentes

Na sessão de julgamento que retomou as votações em plenário da Ação Penal 470, o mensalão, todas as atenções se dirigiram para a posição do novo ministro Luís Roberto Barroso e para a reação dos seus colegas de Corte.

ANÁLISE: Eloísa Machado e Rubens Glezer, coordenadores do Supremo em Pauta, da Direito GV, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2014 | 02h10

Isso porque Barroso não fazia parte do Supremo quando ministros condenaram os réus por seis votos a quatro, ainda em 2012, pelo crime de formação de quadrilha.

O placar apertado deu aos condenados a possibilidade de solicitar os chamados embargos infringentes, que permitem uma nova análise do crime pelo plenário do STF.

De 2012 para cá, a Corte ganhou, além de Barroso, mais um ministro, Teori Zavascki. A dupla substituiu magistrados aposentados compulsoriamente aos 70 anos.

Com essa mudança de composição, a possibilidade de haver uma alteração na sentença passou a ser real. Isso porque há uma descrença na reversão dos votos dos ministros que já condenaram e dos que já absolveram. Sem a mudança de composição, uma pergunta seria inevitável: afinal, faz sentido a mesma Corte rejulgar um tema?

O ministro Luiz Fux, relator dos infringentes e autointitulado porta-voz da corrente condenatória, manteve a posição ao abrir a votação de ontem, rechaçando as teses de defesa e corroborando a argumentação de que os réus estavam associados para a prática criminosa, ainda que as empresas, bancos e partidos envolvidos mantivessem, paralelamente, atividades lícitas.

Já Barroso, o segundo a votar, acompanhou a divergência. A sua argumentação focou na desproporcionalidade das penas impostas para o crime de quadrilha em relação às demais dos outros crimes e, por isso, considerou-as injustas. Nessa linha, afirmou que, caso as penas fossem revistas, acarretariam a prescrição dos crimes de quadrilha. Por fim, votou para desconsiderar o crime de quadrilha e absolver os réus, uma vez ausente o dolo específico da associação para o cometimento de crimes.

Hoje será a vez de Teori Zavascki, a outra cara nova do plenário da Corte. Se acompanhar a divergência de Barroso, sedimentará a absolvição dos réus. Se esse cenário se comprovar, os embargos infringentes terão um papel fundamental no julgamento.

Contudo, isso não é um sinal de êxito do atual sistema de recurso, já que, sem uma mudança de composição das cadeiras do Supremo, as chances de alteração de sentenças seriam praticamente nulas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.