SNI ficou longe do Dops nos anos de maior repressão

Presença de agentes de inteligência ligados à Presidência da República aumentou só às vésperas da abertura política no País

ROLDÃO ARRUDA, O Estado de S.Paulo

19 de fevereiro de 2013 | 02h07

Os registros de entrada e saída do Departamento de Ordem Política e Social (Dops), em São Paulo, mostram que o local, uma espécie de QG da repressão durante o regime militar brasileiro (1964-1985), passou a ser frequentando com assiduidade por agentes de inteligência ligados diretamente à Presidência da República apenas a partir de 1978, ano anterior à Lei da Anistia. Na época de maior repressão política, no início daquela década, a presença de integrantes do Serviço Nacional de Informações (SNI) no prédio do Dops era rara.

No domingo, o Estado revelou que o QG da repressão era frequentado por militares de alta patente que agiam em conjunto com autoridades civis. Também aparecem com frequência nos registros um homem que se identificava como "representante da Fiesp", a federação paulista de industriais, e do cônsul americano em São Paulo naquela época, Claris Halliwell.

O SNI existiu entre 1964 e 1999. A maior presença de seus agentes no Dops coincide com as vésperas da posse do general João Baptista Figueiredo na Presidência da República. Ele chefiou o SNI no governo de seu antecessor, general Ernesto Geisel.

Enquanto o número de visitas de agentes de inteligência crescia, a presença dos militares e de figuras da linha dura, como o delegado Sérgio Fleury, diminuía. Ele foi levado de volta para atividades na área de crimes comuns da Polícia Civil e desapareceu dos livros da portaria do Dops em 1978.

Coordenação. Antes do período de distensão política, porém, militares e civis coordenavam, do Dops, as operações de inteligência do regime. É enorme a variedade de nomes de delegados e de militares que se identificavam na portaria do edifício como representantes do Destacamento de Operações de Informações (DOI), ligado ao Exército.

O QG da repressão do governo era o principal centro de infiltração de agentes entre as organizações de esquerda e de localização de militantes que viviam na clandestinidade.

As listas de portaria mostram que era comum a chegada e saída, nos mesmos dias e horários, de representantes de diferentes setores da comunidade de informações. Em alguns os encontros reuniram delegados, representantes da Polícia Militar, agentes federais e oficiais do Exército e da Aeronáutica.

"O Dops abrigava um centro de articulação de combate à oposição", afirma Ivan Seixas, ex-presos político e assessor da Comissão da Verdade do Estado de São Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
ditaduradopscomissão da verdade

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.