Skaf responde ao assédio tucano sobre PMDB paulista

Provável candidato ao Bandeirantes em 2014,presidente da Fiesp reage em seu partido e tenta atrair tucanos

PEDRO VENCESLAU, O Estado de S.Paulo

15 de setembro de 2013 | 02h07

Respaldado pelo vice-presidente da República, Michel Temer, o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf (PMDB), provável candidato ao governo estadual, respondeu à tentativa do governador Geraldo Alckmin (PSDB) de atrair prefeitos e deputados estaduais peemedebistas para sua campanha pela reeleição em 2014.

A resposta de Skaf foi outro jantar, em sua casa, onde ele recebeu deputados peemedebistas, na última terça-feira. Ficou também definido nesse encontro que o presidente da Fiesp ocupará 16 dos 20 anúncios de 30 segundos do partido que começam a ser exibidos no dia 20.

No último dia 4, Alckmin recebeu 40 dos 86 prefeitos do PMDB de São Paulo em um café da manhã no Palácio dos Bandeirantes e anunciou a liberação de recursos para as cidades governadas pela legenda. Organizado pelo deputado Baleia Rossi, presidente do PMDB paulista, o evento irritou a cúpula da legenda, que pediu explicações. Skaf reuniu-se duas vezes na terça-feira com a bancada do partido na Assembleia.

No primeiro encontro com Alckmin, os parlamentares afirmaram que a liberação de recursos via emenda parlamentar é uma praxe, mas reconheceram que o formato e o local escolhido pelo governador foram equivocados. O PT vai denunciar o governador por propaganda eleitoral antecipada em função do evento. Um outro café da manhã do governador com os demais 46 prefeitos do PMDB deveria acontecer na semana que vem, mas foi cancelado. Os recursos serão liberados, só que de maneira mais discreta.

Com a reação de Skaf, Baleia Rossi endureceu o discurso contra os prefeitos "infiéis". "Quem não aprovar nosso candidato pode sair do partido. Não vamos brincar com isso", afirmou ele aos demais deputados, no jantar da terça-feira na casa do presidente da Fiesp.

Na peça do PMDB na TV, outros cinco parlamentares dividirão os demais spots. Nas propagandas anteriores, Skaf havia recebido carta branca para ocupar todo o tempo dos comerciais sozinho - mas preferiu dividi-lo com os deputados.

Além da blindar seu nome contra o assédio tucano, o dirigente da Fiesp também está atraindo deputados e quadros do PSDB para o PMDB. Terceira candidata mais votada a deputado federal em 2010 com 270 mil votos, Bruna Furlan deve assinar a ficha de filiação no PMDB. Outro que está negociando uma possível transferência é o ex-prefeito de São Bernardo William Dib. Os operadores políticos de Geraldo Alckmin tentaram sem sucesso convencer o PMDB a indicar o candidato a vice do governador. Skaf e Baleia Rossi foram convidados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.