Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

Skaf cai 3 pontos, mas segue tecnicamente empatado com Doria, diz Ibope

Emedebista aparece com 21%, enquanto tucano chega a 24% das intenções de voto, aponta levantamento

Alessandra Monnerat, Caio Sartori e Luiz Fernando Toledo, O Estado de S.Paulo

03 Outubro 2018 | 18h38

Os candidatos João Doria (PSDB) e Paulo Skaf (MDB) seguem empatados na disputa pelo governo de São Paulo, segundo pesquisa Ibope/Estado/TV Globo divulgada na tarde desta quarta-feira, 3. No entanto, Doria oscilou dois pontos para cima e agora aparece com 24%, enquanto Skaf caiu três pontos e está com 21%. Os números configuram empate técnico, já que a margem de erro é de dois pontos para mais ou para menos. 

Atrás deles aparece o governador Márcio França (PSB), que, assim como Doria, oscilou dois pontos para cima: tinha 12% e passou para 14%. Luiz Marinho (PT), outro que oscilou positivamente dois pontos, vem em seguida com 8%. Atrás deles, Major Costa e Silva (DC) pontua 3%. Marcelo Candido (PDT), Prof. Claudio Fernando (PMN), Rodrigo Tavares (PRTB), Rogerio Chequer (Novo) e Professora Lisete (PSOL) têm 1% cada. Os candidatos Toninho Ferreira (PSTU) e Lilian Miranda (PCO) não pontuaram. 

O Ibope também pesquisou como seria um segundo turno entre Doria e Skaf. Nesse cenário, Skaf ficaria com 37%, empatado tecnicamente com Doria, que teria 36%. Os números mostram uma melhora de Doria — ele aparecia com 31% na última pesquisa. Já o candidato do MDB oscilou dois pontos para baixo em relação ao último levantamento. Brancos e nulos são 20% e outros 7% não souberam responder.

Márcio França perderia para Skaf por 40% a 30% e estaria em empate técnico com Doria (38% a 36% para o tucano). É a primeira vez em que cenários com o candidato do PSB foram pesquisados.

Se considerada a intenção de voto espontânea, quando os nomes dos candidatos não são apresentados aos entrevistados, Doria subiu de 9% para 13% em relação à última pesquisa. Skaf segue empatado tecnicamente com o tucano, com 10%, mesmo valor da pesquisa anterior. O terceiro lugar é de Márcio França, com 7% das intenções, oscilação positiva de um ponto em comparação ao levantamento anterior. Luiz Marinho tem 3%. Brancos e nulos somaram 17%; entrevistados que não souberam ou não quiseram responder foram 45%.

Rejeição a Doria cai, mas ainda é a maior

A rejeição ao candidato tucano caiu quatro pontos, para 29%, mas continua sendo a maior. O segundo mais rejeitado é Luiz Marinho, que tem 20%, dois pontos a mais que no último levantamento. A taxa de Skaf oscilou um ponto para baixo e agora está em 18%. Major Costa e Silva e Toninho Ferreira têm a mesma rejeição: 12%. Márcio França aparece com um ponto a menos em comparação com a última pesquisa e agora tem 10%.

Em seguida, estão Professora Lisete (9%), Marcelo Candido (9%), Lilian Miranda (9%), Rodrigo Tavares (8%), Rogerio Chequer (8%) e Professor Claudio Fernando (7%). Outros 23% dos entrevistados não souberam ou preferiram não responder e 7% disseram que poderiam votar em qualquer candidato.

Senado: Suplicy continua com tendência de queda, mas lidera disputa

O líder das pesquisas para o Senado, Eduardo Suplicy (PT), continua a tendência de queda que havia apresentado nos últimos três levantamentos. O petista oscilou dois pontos para baixo e agora tem 26% das intenções de voto. No seu auge, registrado no dia 10 de setembro, o candidato pontuou 31%. 

A disputa para a segunda vaga permanece embolada. Mara Gabrilli (PSDB) está numericamente à frente, com 17% — dois a mais que na pesquisa do dia 25 de setembro. Outros dois candidatos apresentaram índice de 14%: Major Olímpio (PSL), que tem um ponto a menos; e Mario Covas Neto (Podemos), que oscilou um ponto para cima. O destaque é Tripoli (PSDB), que subiu três pontos e agora tem 13%. Maurren Maggi (PSB), que tinha 9%, agora aparece com 10%.

Outros candidatos atingiram no máximo 5%. Brancos e nulos chegam a 23% para a segunda vaga e 17% para a primeira. Entre os entrevistados, 37% não sabem ou preferiram não responder.

A pesquisa foi realizada nos dias 30 de setembro a 2 de outubro de 2018. Foram entrevistados 2.002 eleitores em 97 municípios. A margem de erro máxima estimada é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança utilizado é de 95%. Isso quer dizer que há uma probabilidade de 95% de os resultados retratarem o atual momento eleitoral, considerando a margem de erro. 

O levantamento foi contratado pelo Estado e pela TV Globo e está registrado no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) sob o protocolo Nº SP‐08219/2018 e no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR‐07211/2018. / COLABORARAM CECILIA DO LAGO E BIANCA GOMES, ESPECIAL PARA O ESTADO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.