Sistema de monitoramento de fronteira vai começar em MS

Além do Proteger, o Exército dispõe de dois outros projetos estratégicos em adoção que foram apresentados à presidente Dilma Rousseff na reunião da última terça-feira: o Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras (Sisfron), orçado em R$ 11,9 bilhões e que estará concluído em dez anos, e o Centro de Defesa Cibernética (CD Ciber), com custo de R$ 2,3 bilhões, a ser instalado em quatro anos. Todos os projetos funcionam de forma integrada e fazem parte de um total de sete planos estratégicos em desenvolvimento no Exército, com objetivo de ampliar o poder de atuação da Força Terrestre.

BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de julho de 2012 | 03h11

Segundo o comandante do Exército, general Enzo Peri, na próxima terça-feira será aberta a licitação do projeto piloto do Sisfrom, a ser instalado em Dourados (MS). O piloto prevê o reforço de 650 quilômetros de fronteiras que dividem Mato Grosso do Sul com Bolívia e Paraguai. Este ano, serão destinados R$ 300 milhões ao Sisfrom, sendo R$ 180 milhões para o sistema de radares de Dourados, que deverão ser integrados a outras plataformas de vigilância da região.

Já o CD Ciber, que receberá R$ 120 milhões este ano, passou pelo seu primeiro teste durante a Rio+20. O Brasil, hoje, é o único país da América Latina a contar com um simulador de defesa cibernético. / T.M.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.