Sindicância da estatal conclui que não houve propina de holandeses

A auditoria interna que a Petrobrás realizou para investigar denúncia de suborno para funcionários e intermediários da estatal, envolvendo contratos da empresa holandesa SBM Offshore, não encontrou "fatos ou documentos que evidenciem pagamento de propina a empregados" da petroleira. A estatal informou ontem que o relatório final da comissão interna que apurou as suspeitas de propina será encaminhado à Controladoria-Geral da União, ao Tribunal de Contas da União e ao Ministério Público Federal.

O Estado de S.Paulo

31 Março 2014 | 02h05

A sindicância interna da Petrobrás foi aberta em 13 de fevereiro, após a estatal ter sido citada em denúncia de um ex-funcionário da SBM Offshore, companhia holandesa que aluga navios-plataforma para petroleiras. Segundo o denunciante, funcionários e intermediários da estatal brasileira receberam propina para fechar negócios, num esquema que, só no País, teria envolvido US$ 139,2 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.