Severino Cavalcanti é eleito prefeito de João Alfredo (PE)

Ex-presidente da Câmara ganha no primeiro turno com apoio do ministro das Cidades e vídeo de Lula

Equipe AE,

06 de outubro de 2008 | 00h01

Severino Cavalcanti (PP), ex-presidente da Câmara Federal, foi eleito em primeiro turno prefeito da cidade de João Alfredo, em Pernambuco, com 8.632 votos, 52,31%, dos votos válidos. Em segundo lugar ficou Sebastião dos Santos (PSDB), que obteve 47,69%, com 7.869 votos. Ex-presidente da Câmara tinha apoio dos governos federal e estadual. O candidato eleito renunciou à presidência da Câmara, em 2005, para não ser cassado quando foi acusado de "mensalinho" na Casa. A denúncia foi de que o empresário Sebastião Buani pagou propina a Severino Cavalcanti para prorrogar a concessão de restaurantes na Câmara Federal. Durante a campanha, Severino recebeu apoio do ministro das Cidades, Márcio Fortes, que comandou na segunda-feira um megacomício em defesa do candidato. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva não compareceu ao evento, mas enviou um vídeo de apoio, exibido em um telão, que afirmava que o ex-presidente da Câmara tinha sido vítima da oposição ao seu governo. Lula já havia absolvido Severino do "mensalinho", em março, durante outro evento no Recife.  Eduardo Campos (PSB), governador de Pernambuco, também deu seu apoio a Severino. No comício ele foi representado pelo secretário estadual das Cidades, o ex-ministro Humberto Costa. O candidato eleito centrou seu discurso durante a campanha nos benefícios que traria para a cidade por ser aliado político dos governos federal e estadual. Ele ainda reafirmava que não precisaria de intermediários para abrir as portas de ministérios: "Eu sei onde ir buscar recursos para João Alfredo". A coligação de Severino inclui o PT, PSB e PR. Com população de 27 mil habitantes, João Alfredo tem 19.092 eleitores, que estavam aparentemente divididos. Durante as eleições quem estava com Severino pintou sua casa de vermelho ou apresentou bandeiras desta cor. Os eleitores do adversário usaram amarelo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.