Serra visita hospital e insiste que adversário acabará com AMAs

O candidato tucano diz que Haddad é a favor da interrupção de parcerias e destaca que elas realizam 50% das cirurgias

RICARDO CHAPOLA, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2012 | 03h06

Na última semana da disputa municipal, a campanha do candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, vai centrar sua ofensiva contra o adversário Fernando Haddad (PT) insistindo que o rival quer acabar com o sistema da Assistência Médica Ambulatorial (AMA) na cidade.

A coordenação da campanha tucana identificou em resultados obtidos em pesquisas internas que o tema é sensível ao PT e teria respingado em Haddad. Esta tem sido a tônica do discurso de Serra desde o fim do primeiro turno. O objetivo dos tucanos é tentar colar o PT à intenção de extinguir a gestão de unidades de saúde por Organizações Sociais (OS) - entidades privadas que estabelecem convênios com a administração social para gerenciar as AMAs. Mas Haddad nega que vá acabar com as parcerias.

Ontem, o candidato do PSDB voltou a criticar a posição do PT. O fim dos convênios com as OS causaria, segundo ele, "anarquia" no setor de saúde da cidade. "Isso tem de ser mantido, embora a proposta do adversário preveja que seja eliminado. Temos de manter essas parcerias. Isso não vai resolver o problema da saúde, temos de adotar outras medidas. Mas se isso for feito, vai piorar porque vão gerar anarquia", disse Serra, após participar do debate promovido pela Rede Nossa São Paulo na Vila Buarque, centro da capital.

Serra destacou a importância das parcerias por causa da geração empregos e também porque os convênios das OS são responsáveis pela realização de cirurgias na rede de saúde. "Basta dizer que tem 32 mil funcionários que trabalham para essas Organizações Sociais. E eles ficariam fora desse esquema, o que seria muito grave. Basta dizer que 50% das cirurgias na cidade são feitas por esses parceiros", afirmou.

O candidato tucano disse que Haddad é a favor da interrupção dos convênios, pois o adversário teria dito que abriria concurso público em hospitais como o administrado pela irmãs de Santa Marcelina. Além disso, Serra afirmou que a proposta está contemplada no programa de governo petista. Serra visitou ontem o hospital do M'Boi Mirim, zona sul de São Paulo, que é gerido por uma dessas entidades em parceria com o Hospital Alberto Einstein.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.