'Serra joga nas nossas costas problema que é dele', diz PT-SP

Governador José Serra acusou, em entrevista, a manifestação dos policiais civis de ter cunho 'político-eleitoral'

Andréia Sadi, do estadao.com.br

16 de outubro de 2008 | 18h22

O presidente do PT em São Paulo, José Américo Dias, disse ao estadao.com.br que o governo de José Serra tenta de forma "oportunista" jogar nas "costas do PT um problema que ele causou". " Ele ganhou o governo com perspectiva de melhorar os salários, com essa promessa e ao contrário, o que ele fez foi trair as promessas que fez quando era candidato e agora diante da greve que já dura mais de 30 dias, diante de um movimento que é legítimo, tenta tirar o corpo fora e politizar a questão", afirmou.   O governador José Serra  acusou a manifestação dos policiais civis de ter cunho "político-eleitoral" em entrevista à TV Bandeirantes.   Ele disse que estão tirando "proveito eleitoral" e nominalmente associou a CUT e a Força Sindical ao PT e ao PDT e disse que deputados participaram da manifestação com interesse eleitoral. Ele justificou a ação da Polícia Militar e disse que eles estavam lá para dissuadir os manifestantes e "evitar o uso da força".   A Polícia Militar usou bombas de gás e atirou contra os manifestantes que tentavam chegar ao Palácio dos Bandeirantes.     Dias disse que os deputados que estavam presentes na manifestação são do PDT, PV e PT e participaram do ato porque apóiam o movimento. "Ele (Serra) precisa aprender a lidar com a democracia. É para criminalizar os movimentos sociais, mais uma vez."     E emendou: a convivência com o PFL (o DEM) está fazendo muito mal a ele. Está transformando ele em uma pessoa autoritária."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.