Serra defende Kassab após crítica de candidato do PRB

A discussão sobre as propostas dos candidatos à Prefeitura de São Paulo para a segurança da capital paulista provocou um bate-boca à distância entre Celso Russomanno (PRB) e José Serra (PSDB), adversários na disputa.

O Estado de S.Paulo

07 de setembro de 2012 | 03h05

Líder nas pesquisas de intenção de voto, Russomanno disse ontem que a gestão de Gilberto Kassab (PSD) "não fez nada" para a segurança pública na capital e mandou o prefeito "enfiar o rabo no meio das pernas".

"Ele (Kassab) devia estudar um pouquinho sobre segurança pública, porque ele não sabe absolutamente nada depois de tantos anos como prefeito. Ele devia enfiar o rabo no meio das pernas e cuidar das coisas dele", disse.

Serra, que é aliado de Kassab, defendeu do prefeito. O tucano disse que Russomanno usa "grosserias" na campanha e respondeu com ironia: "E ele vai fazer o que com o rabo dele?".

"Para não discutir sua biografia, Russomanno diz que prefere discutir a cidade. Quando começam a discutir propostas, ele parte para a grosseria", disse Serra.

O ataque de Russomanno a Kassab foi uma reação às duras críticas feitas pelo tucano e pelo prefeito à proposta de dar uniformes e rádios de comunicação a 300 mil vigias particulares, que deveriam trabalhar em conjunto com a polícia e com a Guarda Civil Metropolitana (GCM).

Kassab havia dito anteontem que o plano criaria uma "milícia", o que classificou como "um perigo para a cidade".

Ontem, Russomanno defendeu seu projeto. "(Os guardas) serão cadastrados, seus antecedentes serão levantados, têm que ter o apoio da comunidade, serão uniformizados e vão receber um rádio para comunicar a GCM de irregularidades", explicou.

Serra disse que as propostas de Russomanno são "bobagem". "O que é certo das propostas já é velho, já existe. E o que é novo é bobagem - como transformar vigia em policial militar." / BRUNO BOGHOSSIAN e RICARDO CHAPOLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.