Serra critica presidente por corrupção

O ex-governador de São Paulo José Serra, candidato à Presidência da República pelo PSDB em2010, disse ontem que é preciso responsabilizar a presidente Dilma Rousseff pela escolha dos ministros que deixaram o governo sob suspeita de corrupção. Desde janeiro, seis ministros perderam seus cargos, sendo cinco sob suspeita de irregularidades.

SILVANA MAUTONE, AGÊNCIA ESTADO, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2011 | 03h03

"Há uma tendência de jogar tudo nas costas do Lula", disse Serra, em referência ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. "Não é que o Lula não tenha responsabilidade, mas não é ele sozinho. É o governo dele e o novo governo."

Para o tucano, o número de ministros sob suspeita é muito alto. "Para um governo recém-formado, do total de ministérios, que são pouco mais de 20, quase um terço já foi comprometido", afirmou Serra. Hoje, o Executivo tem 24 ministérios, 9 secretarias e 5 órgãos cujos titulares têm status de ministros, somando 39 postos.

Para o tucano, houve "algo errado" nas nomeações dos integrantes do primeiro escalão do governo. "E quem os elegeu foi a Dilma, foi ela quem os escolheu. Ela tem a responsabilidade pelo que está ocorrendo. Ninguém é obrigado a aceitar de um governo anterior a nomeação de futuros ministros."

Sindicatos. Serra participou ontem, em São Paulo, da cerimônia de posse da nova diretoria do Núcleo Sindical do PSDB em São Paulo. O partido organizou formalmente 15 núcleos sindicais, numa tentativa de intensificar sua relação com os trabalhadores. Questionado se essa iniciativa era uma tentativa de reaproximação com os sindicatos, Serra negou que tenha ocorrido um afastamento entre o PSDB e as entidades de trabalhadores. "Criou-se um mito de que houve afastamento, mas isso é bobagem", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.