Serra ameaça sair de partido se não for presidente do PSDB

Em conversas reservadas, ex-governador tucano faz exigências, chama Aécio de coronel e diz que poderá apoiar Campos em 2014

JULIA DUAILIBI, BRUNO BOGHOSSIAN, O Estado de S.Paulo

16 de março de 2013 | 02h08

O ex-governador José Serra deu um ultimato à direção do PSDB e informou que deixará o partido caso não seja contemplado na nova formação da direção partidária, que será eleita em maio. Segundo os tucanos, Serra quer a presidência do PSDB, e ameaça sair da legenda e não apoiar a candidatura do senador Aécio Neves (MG) ao Palácio do Planalto.

A informação chegou à direção do PSDB no fim desta semana, por meio de três parlamentares alinhados ao ex-governador. Ciente da situação, Aécio telefonou para Serra na quarta-feira, mas até ontem não tinha conseguido falar com o ex-governador. O mineiro pretende desembarcar em São Paulo domingo ou segunda para ter uma nova conversa com o ex-governador. Serra, no entanto, teria dito que não está disposto a dialogar mais se o assunto da presidência da sigla não entrar na pauta.

A seus interlocutores, Serra passou a criticar duramente o senador mineiro. Chegou a chamá-lo de "coronel" e o acusou de ter prejudicado sua campanha presidencial em 2010, quando foi lançado o livro A Privataria Tucana, no qual sua filha é citada. Serra já disse mais de uma vez - e a várias pessoas - que o livro teria sido produzido com o apoio de Aécio, já que o autor é um jornalista de Minas Gerais.

Segundo o recado enviado à direção do PSDB, se Serra não tiver a presidência do partido, ele sairá da legenda e apoiará a candidatura ao Planalto do governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB). "O Aécio terá que escolher se prefere ter a presidência do PSDB, com Serra na campanha de Eduardo Campos, ou disputar a Presidência da República com o apoio de Serra", disse um dos parlamentares ligados ao tucano paulista.

A direção do PSDB já está fechada em torno da candidatura de Aécio à presidência do partido. A cúpula da legenda avalia que o cargo é imprescindível para que o senador prepare sua campanha ao Planalto. A direção tucana daria ao mineiro exposição e palanque pelos Estados.

No fim da semana passada, Serra se encontrou com o governador Geraldo Alckmin e manifestou insatisfação com o grupo de Minas, que estaria atropelando São Paulo. O tucano também teria manifestado insatisfação com o rumo das negociações internas ao ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que passou a fazer um meio de campo entre os dois grupos. Procurado pelo Estado, o ex-presidente disse que não comentaria o assunto neste momento. Serra se limita a dizer que "há muita fofoca" sobre sua vida política.

De acordo com as conversas dos últimos dois dias, o ex-governador estaria disposto a apoiar a candidatura de Aécio à Presidência se obtivesse um sinal positivo em favor da unidade - ou seja, a presidência do partido. Serra poderia, inclusive, fazer o anúncio nas próximas semanas.

Serra mantém conversas com o presidente do PPS, Roberto Freire, e poderia migrar para a legenda do aliado, que já lhe ofereceu guarida desde 2010, quando perdeu a eleição presidencial. O partido de Freire busca uma fusão com o PMN. Se as duas siglas se unirem, parlamentares poderão migrar para o novo partido sem risco de perder os mandatos. A legenda teria, então, condições de criar uma bancada mais fortalecida, inclusive para ter candidato à Presidência.

Pressão. Apesar da movimentação nos bastidores, os tucanos avaliam que Serra não deixará o PSDB, partido que foi fundado por ele em 1988. O ex-governador estaria usando a possibilidade de deixar a legenda como forma de pressionar na negociação para compor a nova direção do PSDB.

O formato em estudo pela atual direção, alinhado ao projeto de Aécio, previa o senador mineiro na presidência do partido, com a cessão do segundo cargo na estrutura partidária, a secretaria-geral, a um paulista ligado a Alckmin.

Em 2011, Serra pleiteou a presidência do PSDB, mas o atual presidente, deputado Sérgio Guerra (PE), foi reeleito com o apoio de Aécio. Os tucanos ligados ao ex-governador tentaram emplacá-lo no Instituto Teotônio Vilela, centro de estudos do partido. Não conseguiram. Aliados de Aécio avaliaram que ele criaria uma presidência paralela no órgão.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.