Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Senador do PSDB divulga vídeo de Russomanno apalpando mulher

Aloysio Nunes postou imagens do candidato, então repórter, em 1990; para presidente do PRB, atitude é 'desespero'

O Estado de S.Paulo

05 de setembro de 2012 | 03h03

Um dos principais expoentes do PSDB paulista e amigo do candidato tucano José Serra, o senador Aloysio Nunes Ferreira divulgou ontem, em sua página oficial no Twitter, um vídeo que circula na internet no qual o líder nas pesquisas, Celso Russomanno (PRB), aparece apalpando o seio de uma mulher durante a cobertura de um baile de carnaval em 1990 pela TV Gazeta.

Aloysio publicou uma versão editada do vídeo que mostra trechos da propaganda eleitoral do candidato do PRB para depois mostrar a cena carnavalesca. O tucano escreveu no microblog: "Quem é o verdadeiro Russomanno? O que aparece neste vídeo ou o candidato todo arrumadinho?".

A campanha de Russomanno classificou o episódio como um "desespero" da campanha de Serra, que está empatado com tecnicamente com Fernando Haddad (PT) em segundo lugar na preferência do eleitorado. O comitê do candidato tucano negou que a divulgação do vídeo por parte de Aloysio tenha sido uma ação de campanha.

A versão original do vídeo já foi assistida 230 mil vezes nos últimos quatro dias. A versão editada foi publicada originalmente no YouTube por um usuário que declara odiar o PT.

O vídeo contrasta "o Celso Russomanno da propaganda" - apresentado como um homem "sério, quase aristocrático e comprometido com os menos afortunados" - com aquele que o autor chama de "verdadeiro Celso Russomanno". O candidato aparece, então, em uma foto ao lado do deputado Paulo Maluf (PP) e apalpando uma mulher no carnaval.

O presidente nacional do PRB, Marcos Pereira, afirmou que a divulgação do vídeo pelo aliado de Serra foi uma "baixaria" de campanha e contra-atacou. "É lamentável que um senador da República desça a um nível de baixaria deste tamanho. Ainda bem que ele está fazendo isso com um vídeo, porque o Celso não tem Privataria (Tucana) e não tem Paulo Preto para serem apurados", disse Pereira, em referência ao livro que cita supostas irregularidades em privatizações de gestões do PSDB e em alusão ao engenheiro suspeito de ter arrecadado doações de empresas para a campanha presidencial de Serra, em 2010.

Pereira evitou criticar a conduta do candidato de seu partido durante a reportagem de 1990. "Celso estava fazendo o trabalho dele, trabalho honesto", comentou o presidente do PRB.

Aloysio foi procurado pelo Estado, mas não se manifestou até o fim da noite de ontem. / BRUNO BOGHOSSIAN E RICARDO CHAPOLA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.