Senado aprova investigação de compra de tablets por Gurgel

O Senado aprovou ontem pedido para que o Tribunal de Contas da União (TCU) faça auditoria na compra de 1,2 mil tablets feita pela Procuradoria-Geral da República. O senador Fernando Collor (PTB-AL), ex-presidente, é o autor do requerimento. Desde o ano passado, Collor tem sido um duro crítico do procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

RICARDO BRITO / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

22 de fevereiro de 2013 | 02h07

No momento da votação, apenas seis senadores estavam presentes. Collor aproveitou a deixa e cobrou do vice-presidente do Senado, o petista Jorge Viana (AC), a apreciação de um requerimento, sem se referir a seu conteúdo. Vianna colocou a matéria em votação e, sem objeções, o pedido foi aprovado simbolicamente.

No dia 5 de fevereiro, um dia antes de apresentar o requerimento, Collor chamou de "escancaradamente" dirigida a licitação para a compra dos tablets ao custo de R$ 3 milhões. Só o IPad3, que acabou sendo o comprado, se enquadrava nas especificações, disse o senador.

Gurgel classificou de "risível" a iniciativa. Segundo ele, o procedimento de escolher uma determinada marca tem respaldo legal e é usado por "diversos órgãos do governo". "Um dos precedentes mais recentes é do Ministério de Minas e Energia, em procedimento aprovado pelo TCU", afirmou.

Collor tem questionado o trabalho do procurador-geral desde a CPI do Cachoeira. Com o apoio velado da bancada do PT, acusou Gurgel de não ter levado adiante investigações que envolviam o ex-senador Demóstenes Torres (sem partido-GO) com o contraventor Carlinhos Cachoeira. Desde então, Collor tem defendido que o Senado abra um processo de impeachment contra Gurgel. A ideia ganhou força política depois que Gurgel ofereceu denúncia, às vésperas da eleição para decidir o comando do Senado, contra Renan Calheiros (PMDB-AL).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.