Sem urna eletrônica, OAB-SP realiza eleição

O novo presidente da seção paulista da Ordem deve ser anunciado hoje; votação foi com cédula de papel porque equipamentos do TSE estão em manutenção

ISADORA PERON, O Estado de S.Paulo

29 de novembro de 2012 | 23h50

O novo presidente da seção paulista da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB-SP), que vai dirigir a entidade de 2013 a 2015, deve ser conhecido hoje. Três candidatos disputam o cargo: Alberto Toron e Ricardo Sayeg, pela oposição, e Marcos da Costa, apoiado pelo atual presidente da entidade, Luiz Flávio Borges D'Urso.

Segundo o presidente da Comissão Eleitoral da OAB-SP, José Urbano Prates, a apuração dos votos deve terminar hoje, mas o resultado oficial só deve sair na segunda-feira. "Embora na sexta-feira já saibamos quem será o novo presidente da OAB-SP, a proclamação do eleito somente deve ser feita na segunda-feira", afirmou em nota.

A votação foi realizada ontem, das 10h às 18h. A demora para computar os votos ocorre porque o pleito foi realizado com cédula de papel. Segundo a OAB-SP, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) não emprestou as urnas eletrônicas para a entidade este ano por causa da manutenção da quarentena dos equipamentos usados nas eleições municipais.

A título de comparação, o novo prefeito da cidade de São Paulo, maior colégio eleitoral do País com mais de 7 milhões de eleitores, foi conhecido menos de duas horas depois do encerramento da votação.

Estavam aptos a votar ontem 250 mil advogados, de um total de 320 mil inscritos em todo o Estado. Embora não tenha havido a contagem do número das abstenções, Urbano classificou como "maciço" o comparecimento dos advogados nas urnas,

O voto é obrigatório, mas só pôde votar quem estava em dia com a anuidade da entidade. Quem não votou tem até 30 dias para justificar o motivo. Caso contrário, terá de pagar uma multa de R$ 158,60.

Filas. Após três meses de uma campanha tensa, marcada por ataques entre os candidatos e ações na Justiça, a votação de ontem ocorreu sem maiores contratempos, segundo a avaliação OAB-SP. A única reclamação dos advogados foi o tamanho das filas para votar na capital.

Segundo Urbano, a votação transcorreu com tranquilidade e a questão das filas registradas no prédio da Uniesp, no centro de São Paulo, deveu-se à estrutura inadequada de acesso ao prédio, que não deu vazão ao grande número de eleitores que se concentrou mais na parte da manhã.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.