Sem-teto miram gestão Kassab em SP

Movimentos por moradia na capital programam ocupações em várias regiões de abril até maio; líderes negam ligação política com o PT

ROLDÃO ARRUDA, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2012 | 03h05

A administração do prefeito Gilberto Kassab (PSD) deve ser o alvo central de uma série de manifestações de movimentos por moradia que estão sendo organizadas na capital paulista. Elas devem começar em abril e se estender até maio. Estão previstas ocupações de terrenos e edifícios em diferentes regiões da cidade.

"Em seis anos de governo o Kassab não fez nada pela moradia popular, não construiu uma casa", diz Luiz Gonzaga da Silva, mais conhecido como Gegê, um dos articuladores das manifestações, ao explicar a ofensiva contra o prefeito. "Se aconteceu alguma coisa foi porque pegou carona em alguma programa de moradia do governo federal ou do Estado."

Gegê é diretor do Movimento de Moradia de São Paulo, uma das seis organizações que promovem reuniões para iniciar a ofensiva a partir de abril. "No nosso próximo encontro vamos ter a participação de mais duas associações. Quando começarmos as ocupações teremos pelo menos dez movimentos."

Embora seja militante histórico do PT e já tenha integrado a direção nacional do partido em duas ocasiões, Gegê nega qualquer interferência petista na articulação. "Os movimentos populares não têm ligações com partidos nem com centrais sindicais", afirma. "Ideologicamente podem ter proximidade com essa ou aquela central, mas isso não significa que sejam guiados por ela."

Resistência. Os atritos entre Kassab e a maior parte dos movimentos por moradia na capital são antigos. Semanas atrás, quando ainda se tentava costurar uma aliança entre o PT e o PSD para a eleição municipal deste ano, um dos maiores focos de resistência à aproximação foi localizado justamente entre petistas vinculados a esses movimentos. Era uma reação tão forte que, nos bastidores, em seus encontros com o prefeito, os emissários do PT disseram que, caso a aliança fosse adiante, ele teria de adotar imediatamente alguma medida de impacto na área de moradia. Isso serviria para refrear os descontentes.

Sem aliança nem medidas de impacto, os movimentos decidiram abrir carga contra o prefeito. As ocupações e os ataques à política administrativa de Kassab vão ocorrer às vésperas do período eleitoral.

Além de dirigente do Movimento de Moradia da Cidade de São Paulo, Gegê atua como vice-presidente da Central Nacional de Movimentos P0pulares, entidade que agrega grupos de defesa dos interesses sem-teto, sem terra, indígenas, quilombolas, trabalhadores na área de saúde e da educação, entre outros. Segundo suas informações, também devem ocorrer manifestações por mais moradias populares em outros Estados. No caso paulista, diz ele, embora Kassab seja o alvo principal, os governos federal e estadual também deverão ser cobrados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.