Sem se abater, Lupi diz manter amor a Dilma

Enquanto o ressentimento toma conta do PR e influi no resultado das alianças do partido, o ex-ministro Carlos Lupi (Trabalho) continua a declarar amor à presidente Dilma Rousseff. "Ela me ligou no meu aniversário, me deu um abraço carinhoso, sempre me recebe muito bem. Não tenho o que falar", afirmou.

O Estado de S.Paulo

10 de junho de 2012 | 03h11

Presidente nacional do PDT, Lupi diz que faz questão de cuidar pessoalmente das alianças nas capitais. No Rio, sua zona de influência política, o ex-ministro - que chegou a desafiar o Planalto, afirmando que só deixaria a pasta abatido à bala - afirma que o PDT decidiu apoiar a reeleição de Eduardo Paes (PMDB) por não ter um nome forte para a disputa.

"O Paes tem sido um bom prefeito e é amplamente majoritária no partido a disposição de apoiá-lo", afirmou Lupi, para quem não há desconforto com a aliança com o PT, que terá a vice na chapa. "Ressentimento é para quem na vida é pequeno, porque a política é feita de altos e baixos." / D.A.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.