Sem reunião prévia com d. Odilo, Russomanno descarta ir a debate

Candidato condiciona ida a evento dos católicos a conversa com cardeal que fez críticas ao presidente do PRB

ROLDÃO ARRUDA , RICARDO CHAPOLA, O Estado de S.Paulo

19 de setembro de 2012 | 03h06

O candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, disse ontem que só vai ao debate promovido pela Cúria Arquidiocesana, autoridade da Igreja Católica na capital, na próxima quinta-feira, se conseguir se reunir antes com d. Odilo Scherer em particular. A assessoria da Cúria, porém, afirmou que o arcebispo não receberá Russomanno se ele estiver condicionando o encontro à sua ida ao debate.

O motivo da reunião a portas fechadas seria uma tentativa de Russomanno selar a paz com a Igreja. Na semana passada, a Arquidiocese, a pedido de d. Odilo, emitiu nota em repúdio ao PRB e com críticas ao presidente nacional da sigla, Marcos Pereira.

"Só depois que eu conversar com ele (d. Odilo), aí a gente pode ir (ao debate). Quero só conversar com ele", afirmou o candidato, após caminhada pela zona norte de São Paulo.

As tratativas com a igreja vêm sendo conduzidas pelo deputado estadual e coordenador político da campanha de Russomanno, Campos Machado (PTB). O deputado enviou ontem um e-mail à Cúria pedindo para que d. Odilo recebesse o candidato.

Na resposta, a Arquidiocese não garantiu a reunião para hoje. Informou que o arcebispo está com a agenda muito carregada, mas promete atender ao candidato do PRB nos próximos dias.

A decisão sobre a ida de Russomanno ao debate sai na manhã de hoje em reunião entre Campos Machado, Russomanno, Luiz Flávio D'Urso - candidato a vice - e Marcos Pereira. Russomanno disse que sua equipe de campanha considera reunião antes do debate mais prudente. "Minha equipe acha prudente que eu converse com ele antes de ir para o debate no qual eu não sei o que vai acontecer." O candidato não descartou a possibilidade de não comparecer. "Vai depender de d. Odilo me receber", afirmou. Para Machado, a ida de Russomanno sem que se faça uma reunião prévia com o arcebispo é como "entrar numa casa onde você não é convidado".

Questionado sobre o que pretende conversar em particular com d. Odilo, Russomanno disse que quer falar que é candidato a prefeito de São Paulo e não quer fazer uma Guerra Santa.

Ele também negou que espera receber desculpas de d. Odilo pela nota divulgada em 300 igrejas da capital na semana passada. "Desculpas pelo quê? Ele deve ter os motivos dele. Ele precisa me conhecer mais de perto", disse Russomanno. E fez uma advertência: "Quando se fala alguma coisa sobre alguém, a gente precisa conhecer essa pessoa. Estou dando a oportunidade de ele me conhecer mais de perto."

Para quinta, Russomanno disse estar com a agenda cheia e que está tentando encaixar sua ida ao debate da Arquidiocese.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.