Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Sem PR, Jair Bolsonaro avalia militar de vice nas eleições 2018

O pré-candidato ao Palácio do Planalto do PSL apresenta o general do Exército da reserva Augusto Heleno Ribeiro (PRP) para o posto enquanto aguarda uma resposta do partido do ex-deputado Valdemar Costa Neto

Leonencio Nossa, O Estado de S.Paulo

30 Junho 2018 | 05h00

BRASÍLIA - Diante das dificuldades na formação de alianças, o pré-candidato ao Palácio do Planalto Jair Bolsonaro (PSL) apresentou o general do Exército da reserva Augusto Heleno Ribeiro (PRP) como seu vice “momentâneo” para as eleições 2018. Um possível lançamento de uma chapa “puro-sangue” oriunda do setor militar é visto, pelos próprios aliados de Bolsonaro, como uma estratégia de reduzir a tensão no grupo enquanto aguarda uma resposta do PR ao convite para dividir palanque. O partido presidido pelo ex-deputado Valdemar  Costa Neto (SP) negocia também com outras legendas.

Um dos conselheiros mais próximos de Bolsonaro, o ex-comandante da Amazônia e das tropas da ONU no Haiti, o general Heleno, de 70 anos, afirma que seu nome é apenas uma “opção” para ajudar o atual momento da campanha. “Não estou pleiteando nem almejando”, afirma. O nome do militar da reserva como opção de vice do candidato do PSL foi divulgado nesta sexta-feira, 29, pela Coluna do Estadão. “Isso é uma possibilidade remota. Nada está acertado, não tenho esse desejo”, ressalta o general.

General atua na interlocução sobre eleições 2018 com oficiais das Forças Armadas

Heleno tem atuado na interlocução da pré-campanha do PSL com oficiais das Forças Armadas. No início do ano, ele foi apresentado por Bolsonaro como um ministro da Defesa “ideal”. O papel de Heleno na coordenação e na estrutura da campanha nas eleições 2018 não está definido. “Eu faço o que está ao meu alcance para colaborar, aumentar a credibilidade e a confiabilidade da pré-candidatura em alguns setores”, afirma. “Temos atuado para mostrar que não há uma única solução para um país tão complexo”, ressalta. “Já temos muitas discórdias e buscamos mais união entre os brasileiros.”

+++‘Militar não é uma anta pacífica, omissa e sem cérebro’, diz general Heleno

O grupo de Bolsonaro tenta convencer Valdemar Costa Neto a liberar o senador Magno Malta (ES) para o posto de vice. O próprio Magno Malta, no entanto, teme abandonar a candidatura à reeleição para o Senado. A aliança do PSL com o PR garantiria a Bolsonaro tempo no horário gratuito de TV e a possibilidade de atração de setores evangélicos, avaliam os aliados. O pré-candidato também analisou o nome da professora Janaína Paschoal, uma das autoras do pedido de impeachment da presidente Dilma Rousseff. O nome de Janaína seria uma forma do pré-candidato tentar estancar acusações de misoginia.

+++Bolsonaro lidera com 19% em São Paulo, aponta pesquisa Ibope

Aliados de Bolsonaro ressaltam que o nome do general Heleno uniria apoio de integrantes das Forças Armadas, ainda que não agregue outros setores. A chapa de um ex-capitão e de um general da reserva do Exército ajudaria, na ótica dos articuladores da campanha de Bolsonaro, na formação de uma bancada bolsonarista no Congresso independente da bancada da bala, que reúne hoje mais representantes das polícias. Os militares da reserva das Forças Armadas contam, até o momento, com 71 candidatos a deputado estadual e federal nas eleições 2018. A formação de um grupo forte no Legislativo garantiria espaço político para Bolsonaro numa eventual derrota nas urnas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.