Sem Maluf, Serra busca 'tempo de TV' do PTB

Tucanos estudam ceder mais cargos no governo estadual; para Alckmin, arco de alianças já acertado pelo partido é suficiente para o primeiro turno

JULIA DUAILIBI, DÉBORA ALVARES, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2012 | 03h07

Após perder o apoio do PP, de Paulo Maluf, na eleição pela Prefeitura, os tucanos querem compensar o prejuízo no horário eleitoral com uma coligação com o PTB, dono de 49 segundos de propaganda na TV.

Sem o PP, a chapa tucana fica com um minuto a menos que a do pré-candidato do PT, Fernando Haddad - ontem o petista fechou a coligação com Maluf.

O pré-candidato do PSDB, José Serra, e o senador tucano Aloysio Nunes Ferreira conversaram com Campos Machado, presidente do PTB paulista, para tentar trazê-lo para a aliança. Serra encontrou-se com Machado no sábado, no casamento do filho do secretário Julio Semeghini (Planejamento). Ontem Aloysio esteve com o líder do PTB, que voltou a conversar com Serra.

Os tucanos trabalham com dois cenários para atrai-lo. O primeiro é dar a Secretaria de Justiça estadual para Luiz Flávio D'Urso, ex-presidente da OAB-SP e pré-candidato do PTB a prefeito, em costura a ser feita pelo governador Geraldo Alckmin (PSDB). O outro cenário, menos provável, mas não descartado, é ceder ao PTB a indicação do vice-prefeito - Marlene, mulher de Campos, seria a vice da chapa de D'Urso. Campos Machado nega interesse na coligação, mesmo com a indicação do vice. "Não há hipótese de eu voltar atrás", disse sobre a candidatura do PTB.

Serra ainda não bateu o martelo sobre o seu vice, que deve ser definido após a convenção do PSDB no domingo. Os tucanos querem guardar o cargo justamente para ter um curinga nas negociações com os aliados.

O mais cotado hoje é o ex-secretário municipal de Educação Alexandre Schneider (PSD). A indicação, no entanto, depende da articulação com os demais partidos. Também será influenciada por decisão da Justiça sobre pleito do PSD, do prefeito Gilberto Kassab, que quer ampliar tempo de TV na propaganda eleitoral.

Os tucanos negociavam o apoio com Maluf desde 2011, mas foram surpreendidos pelo PT, que, na semana passada, deu participação a um aliado dele no Ministério das Cidades. No ano passado, Alckmin colocou o PP na Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU), em troca de apoio para se reeleger em 2014. Agora, para apoiar Serra, o ex-prefeito havia pedido o controle da Secretaria de Habitação, a qual a CDHU é ligada. Alckmin deixou a negociação para depois da eleição. "Fui humilhado", teria dito Maluf a integrante do governo paulista que conversou sábado com ele.

Valores. Sem Maluf, o PSDB agora vai tentar explorar o ingresso do ex-prefeito na chapa petista, questionando valores morais e temas como corrupção. Mas, para o discurso ter mais efeito, aliados de Serra querem a demissão do atual presidente da CDHU, Antonio Carlos do Amaral Filho, indicado por Maluf.

Segundo Alckmin, mesmo sem o PP, a coligação em torno de Serra já o deixa competitivo. "Nosso candidato tem uma grande aliança (PV, PSD, DEM e PR), são cinco partidos. Está indo muito bem", disse o governador. "Nesse processo de negociação, o PP deu preferência a ficar com o Haddad", resumiu o secretário da Casa Civil, Sidney Beraldo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.