Seis anos após denunciar primos em gravação, prefeito é morto no Ceará

Líder político em Acaraú, médico João Jaime foi assassinado após recusar financiamento para campanha de parente

O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2013 | 02h20

Em 1992, o médico João Jaime Ferreira Gomes (PSDB), líder político de Acaraú (CE), reuniu a mulher Magna e os filhos João Magno e Cristiano e gravou uma fita cassete para denunciar três primos por desvios de recursos, esquema de propinas e assassinatos. "Se acontecer algo comigo de violência sejam responsabilizados os meus primos que eu nem os considero mais, o Aníbal, o Duquinha e Amadeuzinho. São esses três. Se algo acontecer, não só comigo, mas com vocês, eles serão responsabilizados. Peguem essa gravação e levem para autoridades confiáveis", afirmou. Na gravação, o médico acusa os primos de assassinarem o empresário Afonso Fontes, que disputaria o cargo de deputado federal em 1986, o que dividiria os votos com Aníbal Ferreira Gomes.

Em maio de 1998, dois anos após se eleger prefeito e seis após gravar o vídeo, João Jaime foi assassinado. Ele estava num escritório em Fortaleza à espera do primo e vice-prefeito, Amadeu Gomes, que não apareceu. Quem chegou foi uma dupla. Um dos homens se dirigiu a João Jaime e atirou no olho esquerdo dele.

O prefeito tinha recusado, segundo a Polícia Civil, financiar a campanha pela reeleição de Aníbal com verba do Ministério dos Transportes.

Os Ferreira Gomes dominavam o litoral norte do Ceará desde 1946, quando o coronel José Filomeno Ferreira Gomes se elegeu deputado estadual pelo PSD. Os filhos dele se dividiram em dois grupos: "filomenos pretos" e "filomenos brancos". Os "filomenos pretos", liderados por João Jaime Ferreira Gomes, pai de Joãozinho, o prefeito morto, e os "filomenos brancos", sob o comando de Amadeu Ferreira Gomes, pai de Aníbal, Amadeu e Duquinha, se revezavam no controle da prefeitura. Com a morte do prefeito, houve a separação. O jazigo que guardava os restos mortais da família foi aberto e os ossos de "filomenos pretos" retirados e enterrados em outra tumba.

Tudo o que sabemos sobre:
sangue político

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.