'Seguirei a decisão do PSDB no segundo turno', diz Alckmin

Em terceiro nas urnas, candidato tucano cancelou compromisso e chegou sorrindo ao lado da mulher

Carolina Freitas, da Agência Estado,

05 de outubro de 2008 | 22h53

O candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, Geraldo Alckmin, disse que seguirá a decisão do partido no segundo turno. Sem apoio de líderes tucanos, que migraram para a candidatura do prefeito Gilberto Kassab, do DEM, Alckmin ficou fora da disputa do segundo turno. Com 92,69% dos votos apurados, o tucano aparecia com 22,62% dos votos.   Veja também: Marta e Kassab vão se enfrentar no 2º turno Marta ataca Kassab e diz que vai comparar gestões no 2º turno Especial: Perfil dos candidatos em São Paulo  Galeria de fotos dos candidatos à Prefeitura   Cobertura completa das eleições 2008  Eu prometo: Veja as promessas de campanha dos candidatos  Vereador digital: Depoimentos e perfis de candidatos em São Paulo   Tire suas dúvidas sobre as eleições     "O segundo turno é uma decisão partidária e eu, como homem de partido, vou seguir essa decisão", afirmou, em pronunciamento de dois minutos feito no salão de festas do prédio onde mora, no Morumbi, zona sul da capital, pouco depois das 22 horas deste domingo, 5. Estava prevista a ida do candidato às 20 horas a um evento com correligionários em um salão alugado na Liberdade, na região central, mas com o resultado negativo do tucano na votação o evento foi cancelado.   Alckmin chegou para o pronunciamento sorrindo ao lado da mulher, Lu, e de assessores que seguravam atrás do candidato um quadro com um tucano pintado com as cores da bandeira brasileira. Sem detalhar as razões que o levaram a perder a eleição, Alckmin atribui a derrota a "circunstâncias políticas".   "Eleição se ganha e eleição se perde. Não foi minha primeira nem vai ser a última eleição", afirmou no rápido pronunciamento. O candidato não respondeu a nenhuma pergunta de jornalistas.   Ao lado de Alckmin, estavam o presidente do PSDB municipal, José Henrique Reis Lobo, o candidato a vice, Campos Machado (PTB), o deputado federal tucano José Aníbal e o presidente do PSDB estadual, Mendes Thame.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.