TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO
TIAGO QUEIROZ/ESTADÃO

Secretária-geral do PSL em São Paulo é afastada do cargo

Decisão de retirar Letícia Catel da campanha foi tomada por Gustavo Bebianno, presidente da sigla, após desavenças

Constança Rezende, O Estado de S.Paulo

27 de setembro de 2018 | 23h24

A poucos dias das eleições 2018, a secretária-geral do PSL em São Paulo, Letícia Catel, foi afastada do cargo. A decisão foi tomada pelo presidente do partido de Jair Bolsonaro, Gustavo Bebianno, depois de desavenças com a empresária. Ela continua filiada à sigla.

Após a decisão, Letícia foi barrada na porta do Hospital Albert Einstein, em São Paulo, onde Bolsonaro está internado desde o dia 7. O controle de acesso ao candidato tem sido organizado por Bebianno. Eles não quiseram comentar o caso.

Letícia era responsável pela área administrativa do partido. Ela cuidava, por exemplo, dos registros dos cerca de 200 candidatos em São Paulo. Também era presidente da comissão de ética e uma das principais interlocutoras entre os candidatos e a cúpula da sigla.

Quando ganhou espaço dentro do PSL, passou a fazer reuniões diretamente com Jair Bolsonaro, que conheceu por meio de um dos filhos do candidato, o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). Essa movimentação em torno do presidenciável começou a incomodar Bebianno, segundo pessoas próximas a ele.

Letícia ainda teria ignorado ordens da presidência, fazia eventos sem consultar a cúpula e teria telefonado para Paulo Guedes, responsável pelo programa econômico de Bolsonaro, para dizer que ele deveria ir a uma entrevista na TV – opinião contrária à de integrantes da sigla.

“Em vez de cuidar da parte burocrática, ela começou a fazer articulações, criando uma série de problemas”, disse um integrante da cúpula.

Viagens

A relação entre Letícia e o presidente do PSL em São Paulo, o deputado federal Major Olímpio, também se deteriorou depois que a empresária se tornou “voz ativa” na sigla. Viagens dela junto com o candidato a vice, general Hamilton Mourão, em agendas pelo Sul do País também desagradaram à cúpula do PSL.

A movimentação teria sido feita justamente no período em que Mourão tentou ocupar um espaço na campanha, enquanto Bolsonaro estava no hospital e Bebianno, isolado. Major Olímpio não comentou.

Eleitores criticaram a saída da empresária na página de Bebianno no Instagram. Um dos usuários escreveu: “Tem que trazer a Letícia de volta, o movimento JB17 é mais forte unido.”

Nos bastidores, Eduardo Bolsonaro estaria trabalhando para que a saída de Letícia seja revertida. Ele não comentou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.