Nilton Fukuda/Estadão
Nilton Fukuda/Estadão

'Se o PSDB quer unir o centro, que desista da sua candidatura', diz Alvaro Dias

Em Curitiba, presidenciável rebate defesa do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso sobre a união dos candidatos de centro para impedir a vitória de visões radicais e polarizadas nas eleições

Katna Baran, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2018 | 17h52

CURITIBA - Em ato de campanha em Curitiba, capital do estado que governou, o presidenciável Alvaro Dias (Podemos) sugeriu neste sábado, 22, que o PSDB deveria desistir da candidatura de Geraldo Alckmin ao Palácio do Planalto para que haja uma união dos candidatos de centro, como defendeu, na quinta-feira, 20, o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso.

“É um pouco tardia essa proposta. Louvo a preocupação com o futuro do País. Mas a primeira providência para que isso tivesse sucesso seria o PSDB renunciar a sua candidatura, o PSDB já perdeu quatro vezes para o PT e perderá a quinta, portanto é hora de oferecer espaço para outra alternativa, se o PSDB quer unir o centro, desista da sua candidatura”, declarou.

Em carta aberta, FHC afirmou na quinta que “ainda há tempo de deter a marcha da insensatez”, pedindo a união dos candidatos “que não se aliam a visões radicais”. Sem citar nomes, o ex-presidente solicitou um acordo de apoio a quem “melhores condições de êxito eleitoral tiver” e alertou que, caso isso não ocorra, a “crise tenderá certamente a se agravar”. Neste sábado, após receber críticas de candidatos, FHC disse que sua carta se dirigia  aos eleitores e não aos presidenciáveis.

Alvaro Dias também critica polarização política

Na capital paranaense, Dias participou de uma caminhada na região central até a Boca Maldita, conhecido ponto de atos políticos da cidade. Em seu discurso, o presidenciável foi duro nas críticas, principalmente ao PT. “O Brasil não pode mais aceitar ser comandado por organizações criminosas. O Brasil não pode aceitar que um partido se transforme no PCC comandado de dentro do presidio, não pode aceitar um lançamento de candidatura à presidência na porta de uma penitenciária”, disse, em referência à transferência de candidatura petista do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva a Fernando Haddad.

Em entrevista, o candidato também criticou a polarização política, citando frase do Papa Francisco, segundo o qual as extremas direita e esquerda pregam que falam em nome do povo, mas, na verdade, não dialogam com a sociedade. “O Brasil vive uma crise de profundidade, quase que insolúvel, e fica imaginando que esse confronto da extrema esquerda com extrema direita levará o Pais a um porto seguro. Teremos tempo de sofrimento se o Brasil não acordar. Espero que a República de Curitiba acorde o Brasil nesse momento dramático”, disse Alvaro.

Apesar de seu partido, o Podemos, estar coligado à candidatura de Ratinho Junior (PSD) ao governo do Paraná, na visita ao Estado, Alvaro Dias afirmou que se manterá neutro na disputa estadual. “Aqui no Paraná meu voto ao governo é secreto”, declarou. Apesar da aliança formal com a sigla de Ratinho, o presidenciável conta com o apoio de vários políticos paranaenses que estão ao lado de outras campanhas, como da governadora Cida Borghetti (PP).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.