Dida Sampaio/AE
Dida Sampaio/AE

Se eleito prefeito de SP, Levy Fidelix promete tapar rios Tietê e Pinheiros

Presidente do PRTB manterá candidatura à Prefeitura de SP mesmo após suspeitas de envolvimento com Cachoeira

Ricardo Chapola, estadão.com.br

16 de maio de 2012 | 13h41

SÃO PAULO - As investigações em torno do contraventor Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, tiveram o poder de não só revelar sua rede de influência política, mas também de transformar a folclórica figura de Levy Fidelix, o "homem do aerotrem", em alvo de investigação. O presidente do PRTB é mencionado em conversas grampeadas pela Polícia Federal entre Cachoeira e seus interlocutores, em que negociam a compra do partido. Levy se defendeu ao dizer que não conhece o contraventor e acusou a denúncia como uma tentativa de derrubar sua candidatura nas eleições municipais deste ano.

Apesar disso, o "homem do aerotrem" - como o próprio Levy Fidelix se autointitula no site do PRTB - virá para a disputa à Prefeitura de São Paulo honrando a alcunha: defenderá a proposta do trem ultramoderno conhecida de antigas campanhas, só que agora expandida para as marginais Tietê e Pinheiros. Como? Tapando os rios. "Eu não sou carreirista. Sou criativo. Um visionário", disse.

A ideia de Levy Fidelix seria de aproveitar melhor o espaço ocupado pelos rios mortos, levantando sobre eles as estruturas de sustentação do aerotrem, como uma espinha dorsal da cidade. "A revitalização é muito cara e não dá resultados. Então é uma chance de termos mais pistas para carros circularem, com o aerotrem pelo meio. De Congonhas a Cumbica sobre o Tietê-Pinheiros, sem desapropriar nada", projetou. Segundo ele, seriam obras economicamente viáveis e também de fácil fiscalização.

Dor de cotovelo. No fim de março, o governador Geraldo Alckmin (PSDB) aprovou as obras da linha 17-ouro, operada por meio de monotrilho, um sistema mais leve que o metrô convencional e que fará ligação do aeroporto de Congonhas ao estádio do Morumbi (zona oeste de SP). Para Levy Fidelix, o sistema não só lembra, como é o próprio aerotrem, com um nome diferente. Por isso, cobrou créditos ao governador e classificou a atitude como "dor de cotovelo". "Alckmin colocou na prática o que venho defendendo", argumentou. "O nome aerotrem é conceitual, você pode falar monotrilho também".

Outros políticos também foram apontados por Fidelix pelo mesmo problema: o ex-governador e falecido Mário Covas em função do rodoanel, e também o prefeito Gilberto Kassab (PSD), pela nova lei de trânsito para caminhões nas marginais e do seguro enchente, segundo o candidato, proposta de sua autoria de 15 anos atrás, mas batizada como seguro calamidade. "É necessário que a prefeitura faça as coisas. Não é só copiar a minha ideia, que é o que o Kassab faz".

Independência. Se questionado a respeito de se aliar ao PT e assim abrir mão da candidatura, Levy Fidelix logo a dispensa, considerando que, sendo fundador e presidente do PRTB, tem obrigação de disputar todos os pleitos possíveis. Negou apoio ao pré-candidato petista, o ex-ministro Fernando Haddad, embora tenha lembrado que faça parte da base do governo. "Me perguntam: 'é verdade que você vai apoiar o Haddad'? Jamais. Além de não apoiá-lo, eu sou candidato. Já confirmei a minha candidatura duas vezes. Minha vocação é sempre disputar, como fundador e presidente do PRTB", garantiu.

Nem mesmo para o segundo turno Levy Fidelix se vê coligado a nenhum dos seus adversários, já que diz, com convicção, que, se houver a outra etapa, ele estará ainda na disputa. O candidato baseia o seu discurso na última pesquisa Datafolha, divulgada em março, que o apontou com 54% de popularidade, acima do pré-candidato do PMDB, Gabriel Chalita, com 52%, e de Haddad, com índice de 41%.

"O Haddad e o Chalita são da mesma área, da Educação. São Paulo não precisa de educador, precisa de gestor. Um vai eliminar o outro", avaliou Fidelix.

Quanto ao pré-candidato do PSDB, o ex-governador José Serra, Levy Fidelix destacou a rejeição do tucano, ao afirmar que a população já está cansada. "É o 'if' ('se', em inglês): ele começa e não termina. Tem altíssima rejeição", criticou. Na pesquisa Datafolha, Serra aparece com 30% de rejeição, dividindo a liderança no quesito com o pré-candidato do PCdoB, o vereador Netinho de Paula, com 40%.

Nas eleições deste ano, Levy Fidelix somará mais uma disputa eleitoral para sua coleção de 12 pleitos, sem se preocupar com as derrotas. "Vai chegar um momento que a opção vai ser Levy Fidelix". Sua última candidatura ocorreu em 2010, quando postulou ao cargo da Presidência da República.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.