Schneider é confirmado como vice de Serra Um corintiano que já pensava em ser prefeito

O pré-candidato do PSDB à Prefeitura de São Paulo, José Serra, escolheu Alexandre Schneider (PSD), ex-secretário municipal de Educação, para a vaga de vice em sua chapa.

BRUNO BOGHOSSIAN E JULIA DUAILIBI, O Estado de S.Paulo

01 de julho de 2012 | 03h07

A informação foi confirmada ontem ao Estado pela coordenação de campanha do candidato. Schneider é uma indicação do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (PSD). O nome sofria oposição do governador Geraldo Alckmin (PSDB).

Ontem à noite, após tensa reunião no Palácio dos Bandeirantes, da qual participaram o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) e o secretário-chefe da Casa Civil, o também tucano Sidney Beraldo, Serra conseguiu o aval de Alckmin para confirmar Schneider na chapa.

O Estado apurou que o governador resistiu ao nome do ex-secretário, que abandonou o PSDB em 2011 para embarcar no partido de Kassab, que derrotou Alckmin na campanha municipal de 2008. O prefeito e Alckmin são adversários políticos no Estado.

Alckmin disse que não seria bom para o PSDB ter na vice alguém que havia abandonado o partido e contra quem há resistências entre os tucanos. Também argumentou que o PSD, de Kassab, estava aliado ao PT em diversas cidades no Estado, o que tornava também ruim a nomeação de um vice do partido.

Supremo. Para Serra e Aloysio, segundo relatos do encontro, a indicação deveria ser de Kassab, que se fortaleceu depois que o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu conceder uma fatia maior de tempo ao PSD na propaganda eleitoral na televisão. Também destacaram que Kassab conseguiu articular o apoio de partidos, como o PV e o PR, para a campanha de Serra. O PTB e o PP, que são da base de Alckmin, por exemplo, decidiram que não vão apoiar a candidatura tucana.

No encontro no fim da noite, Alckmin manteve as barreiras à indicação de Schneider, que conta com o apoio da equipe de marketing do candidato. Ele é considerado um rosto novo numa eleição que terá candidatos que nunca disputaram uma campanha, como Fernando Haddad (PT) e Gabriel Chalita (PMDB).

Além disso, Schneider tem no currículo a educação como principal especialidade - o que, em tese, pode ajudar nos embates com Haddad e Chalita, que foram ministro e secretário estadual de Educação, respectivamente. Ambos já indicaram que vão trazer para o debate eleitoral temas como o déficit de vagas em creches. Schneider poderá servir de escudo aos ataques, alegando ter triplicado as vagas.

Serra já queria a indicação de Kassab, mas passou a sofrer pressões do PSDB para que o candidato a vice fosse do próprio partido. A decisão do STF que ampliou a participação do PSD no rateio do tempo de TV na propaganda eleitoral empurrou Serra na direção do nome indicado por Kassab. Antes da decisão judicial, o PSD teria direito a uma pequena fatia do horário eleitoral e do Fundo Partidário, por não ter participado da última eleição - a sigla foi criada em 2011. Agora, ganhou força ao deixar Serra com o maior tempo na propaganda eleitoral: 7min42s, contra 7min30s de Haddad.

Ex-secretário municipal de Educação da gestão Gilberto Kassab, Alexandre Schneider ficou seis anos no cargo e trocou, no ano passado, o PSDB pelo PSD. Na época, comentava a pessoas próximas que não tinha interesse em se candidatar a vereador neste ano. Não escondia o desejo de um dia ser prefeito ou disputar um cargo majoritário. A vaga de vice na chapa de José Serra (PSDB) vai de encontro a esse desejo.

O ex-secretário sempre foi o nome preferido de Kassab para a vice de Serra. Ele deixou o cargo de secretário em abril, esperando a decisão final da coligação.

Schneider participou também do governo Mário Covas e foi adjunto de Aloysio Nunes Ferreira na Secretaria de Governo desde o início da gestão Serra na Prefeitura. Embora tenha deixado o PSDB, mantém a boa relação com Aloysio.

Aos 42 anos, é casado e tem três filhos. Seu time do coração é o Corinthians.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.